sábado, 22 de agosto de 2015

Cena 6



São palavras ao acaso numa espécie de prosa gasta. Na corda bamba, no equilíbrio do simples ao indefinível, as imagens sensitivas se abrem em dilúvios. São digitais também as imagens da água e do fogo que engravidam a lua enquanto a tua epiderme lisa, numa interrogação muda, clama, tão perto e tão dentro de mim, o tempo inquieto, a lágrima pendular, a última golfada. Esgares, suplícios, angústias, sem auroras que despontem para um promissor amanhecer, me inquietam; seus estilhaços maculam a palavra poética e às apalpadelas amarfanho o papel em curto e rápido desassossego, diante do horizonte fechado em cinza, delineado pelas palavras que proíbem sutis farpas do frescor do sol. 

(José Carlos Sant Anna)



10 comentários:

  1. Não são aas "Farpas" de Ramalho Ortigão, não?

    Olá, José Carlos!

    Mistura de sentimentos, nesse texto. Não são palavras ao acaso, não, elas têm um destinatário e uma finalidade.

    Seu escrito foi pensado, equacionado e jogado, assim, magistralmente, mesmo amarfanhando o papel. Depois, eu o alisei e li tudo, tudinho. Descobri alguns dos seus "segredos". Revelação em primeira mão.

    Que sossego e que dessossego, querido amigo! Se aquiete, porque eu levo nas mãos a alvura da aurora, a intimidade da noite, a doçura e a espontaneidade da Primavera, que está quase chegando, aí.

    Fique bem!
    Abraço você!

    ResponderExcluir
  2. Porque há palavras assim... que precisam serem ditas sem qualquer poesia, mas eu entendo o poeta, que é poeta mesmo, assim o vejo, achar que qualquer coisa escrita, deva servir somente a poesia, pois ela é o objetivo maior.:)

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Declarações recebidas e entendidas.
    Prefiro Sant Anna a Ortigão, k achei sempre um chato, denso k só lendo!
    O estilo de Camões ainda mais ninguém conseguiu ter, até hoje, pelo menos k eu saiba, mas quem sabe um dia!
    Ok. Então, se as cenas já estavam "encenadas", tenho k lhe dizer k o encenador é perfeito, sobretudo na dois, creio, onde não esqueceu o céu, o oceano, os tapetes, as almofadas e os hibiscos. Ouvem-se as pancadas de Molière e a Cena vai continuar.

    Lindos dias, querido José Carlos!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde Jose Carlos.
    Lembrei-me de você e vim da um aló rsrs. Uma feliz semana. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Por aqui, são sempre palavras a estrear que nos levam em viagens alucinadas...quem sabe ... alucinantes!?

    Perdida, mergulhei e afoguei-me no teu mar de sentidos apenas palpados no sabor das letras.

    És um grande escritor, Sant' Anna !

    Beijinhos sem 'cena'.

    ResponderExcluir
  6. Bom, "tá" dobrando o dia, e tão empenhado está, k até se esquece k há céu.

    ResponderExcluir
  7. Vou plagiar, você, "minino"!

    São palavras com destino num género de prosa pensada. Na corda resoluta, no equilíbrio das coisas simples às mais complexas, do tocável ao intocável, as línguas desmesuradas explodem como vulcões. São sensoriais também os gestos da cratera e da lava que incendeiam o céu, enquanto o teu corpo, numa ebulição incontrolada, grita, tão prenhe e tão carente, o vaivém, o impulso descompassado, a primeira estocada. Visagens, súplicas, desesperos, com alvoreceres que se entrelaçam, me seduzindo; suas pétalas adornam o poema amoroso e tateando sua pele, num desassossego longo e pronto, diante do leito aberto em alvura, aquecido pelos anseios que fomentam beijos molhados na profundeza fresca da tua boca.

    (Céu)

    ResponderExcluir
  8. Ah! Ah! Senhor Professor Universitário!

    "Tá" se rendendo à aluna, ou melhor, àquilo k ela, coitadinha, tentou escrevinhar?
    Estou aprendendo com você a escrever uma prosinha, k gostaria k fosse sempre DA COR DO PECADO. Acha k tenho "futuro"?

    Não se pode mandar beijo pra Professor, e ainda mais, Universitário, pois não, então, deixo minha mais humilíssima vénia e meu mais "erudito" sorriso.

    ResponderExcluir
  9. Olhar perdido nas criações da nuvens, pensamentos brotando das mãos do passado, nostalgia por tudo o que se foi e bronca de um futuro impotente que nada oferece... Enfim, são lembranças parindo belas e arquitetadas palavras...
    Então, José Carlos, receba o meu abraço...

    ResponderExcluir
  10. É tão mágico quanto interessante te ler e ler as pessoas tentando decifrar a sutileza dos seus pensamentos.
    Tento sentir; explicar não me seria possível. Vc é ótimo!
    Tenha um lindíssimo dia.
    Beijos

    ResponderExcluir