quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Cena 10



Ao longe, as distantes avenidas percorridas ainda açulam a memória do último verão nas tardes do seu corpo de ninfa, com sabor de encantamento, até a chegada do crepúsculo e, como se fossem a sagração da primavera as tuas pétalas fascinadas com o rio que brotava do meu corpo ao teu, beijando-o ponto a ponto como um sol, do visível ao mais recôndito, pássaros na intimidade, caudal das nossas sedes, e palavras rasgando as dobras de um tempo derruído, antes que um beijo mais fundo pusesse em desalinho a loucura de mãos e bocas fulgurantes contornando a voragem do teu púbis ofegante. 


(José Carlos Sant Anna)



13 comentários:

  1. Eu vou colocar meus óculos, de meia lua, para ler suas .... olha me esqueci do k ia escrever...!!!
    Lindo de morrer, "minino"!

    ResponderExcluir
  2. Olá José Carlos!
    Loucura mesmo é beijar muitooooo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Você me pede, me implora, pra eu não gostar de você (risos) mas escrevendo, desse jeito, eu não consigo, José Carlos.

    Com k então, no inverno passado, portanto, verão, em Portugal, há pouco tempo, dias, e você "me" traindo! Nem queira saber qual vai ser o castigo k lhe vou aplicar, nem queira!
    Quem diria!? Começava após o almoço, o k faz mal à saúde, à circulação, e o "banquete" durava até ao crepúsculo. Vocês ainda viam o k faziam?

    Imagino, agora, k chegou a Primavera como não ficarão as pétalas dela, da flor, claro, todas mais k abertas, devassadas e devassas por rompantes, por ímpetos do rio que jorrava do seu corpo. Rio no seu corpo? Pronto, já entendi, é uma figura de estilo e k estilo!

    Nossa! Conseguia beijar ponto a ponto, como o ponto cruz, o bordado, o corpo dela? Já entendi agora, qdo fala das tardes imensas, longas, em k algo lhe está faltando e a solidão bate forte.

    "Pássaros na intimidade", tão bonita e graciosa essa expressão! E davam muitos beijinhos juntando, unindo os biquinhos? Que ternura! Que doçura! O hálito dela deveria saber a hibiscos, rosas, jasmins, enfim, prazer sem limite, nem fim.

    Anda com sedes, querido? Cuidado! Faça análises ao sangue, pke pode ser indicativo de sangue mto doce, ou então mistura de sangues.

    Até as dobras de um tempo vocês rasgaram. Que "Bárbaros"! E o beijo mais fundo pôs a "floresta" em alvoroço. Lobo "mau"! Isso não se faz, "minino"!

    Agora, falando muito a sério, você é um exíguo escritor, que consegue elegantemente e com figuras de estilo, belas e apropriadas, como só você sabe, nos/me levar até onde você quiser.

    AS SUAS PALAVRAS SÃO O "MEU" INFERNO E PARAÍSO!

    Te abraço!

    ResponderExcluir
  4. AMÉM!

    Mesmo longe, as águas do oceano, incontidas
    continuam a atiçar memórias com muita história
    percorridas, sentidas, afagadas neste meu corpo
    onde a Primavera desabrochou, antes do tempo
    em corolas bravas, doces, cheirosas, de amoras
    que adornavam o teu estilete, louco, em rebelião
    que eu beijava, subia, descia, céus, que atuação
    enquanto tu já sem tempo ganias de tanto prazer
    esperando o unir e o confluir das águas aliviadas
    em torrentes de espuma branca, liberta, fugidia
    que me hidrataram, cuspiram e me abalroaram
    num desalinho e desatino, agradável e imparável
    a que me associei, em comunhão sã, consciente
    em estado de graça. Vem! Só outra vez! Amém!

    (Céu)

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, José Carlos!

    Deve estar, ainda, dormindo, pke são ainda 9 h e poucos minutos, a+i, em terras de Vera Cruz. Continue, desse jeito, querido, pke a tarde, o dia é longo, e enquanto isso, eu vou preparar um chá pra dois com torradinhas e rematamos com bolinhos de amêndoa e coco. Que tal? Pra começar o dia? Sei k vai adorar. Eu como metade de um dos bolinhos (não pode/mos comer mto doce, pke ficamos mais gordinhos e, no meu caso, bem, nem te falo), depois toma seu banho e vamos passear um pouco, por aí, pra vermos nascer a vida, com olhos de flor, k sempre são de adoração à natureza, a Deus, e naturalmente ao amor.

    O poema, que deixei aqui, ontem à noite, foi uma tentativa de "resposta" à sua Cena 10. Lá fui seguindo seus passos, seus desejos escritos e de mão dada com a sua magnificente e esplendorosa escrita, lá consegui fazer uma espécie de poema, k considero satisfatório, e k agradou, sobretudo, a você (vocês são loucos por "aquilo" que lá é narrado/descrito, e até já perguntei a um médico amigo, ligado à Sexologia, a razão de tal encantamento, de tal loucura, de tal desarvoramento, e ele não conseguiu me explicar direito, e me respondeu, desse modo: "eu sofro desse mesmo mal". Descarado, desgraçado, lhe respondi. Nos conhecemos desde os tempos do liceu e somos mesmo amigos.
    Você é bom, é um excelente Professor, me ensina e se explica mto bem, portanto, só mesmo pessoa com sérias dificuldades de aprendizagem, não consegue fazer alguma coisinha de jeito.

    Um bom fim de semana.

    PS. prometo ir aparecendo pra encurtar o tempo.

    Beijos, com apreço.

    ResponderExcluir
  6. Oi, garoto!

    Retificando, no comentário acima: 1ª linha - ainda (só uma vez), aí, 12ª e 13ª linhas - ali (basta uma vez só).

    Pois, você tem razão, as palavras têm um poder, k não consigo classificar. Eu pensei k não tinha ido até ao final da "avenida", e acho k não fui, pke eu, apesar das "derrapagens", sou e estou consciente, qdo escrevo. Depois, qdo vejo publicado o k escrevo no meu ou em outros blogues, é que noto que sou "umas mãos largas", sobretudo, isso sim, em imaginação.

    Dia bem luminoso e floral.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. ¡Na se olvida, José!!!

    Aunque se haya recorrido mucho camino... Y, muchas avenidas hayamos dejado atrás, en esos veranos y tardes primaverales con sabor miel... Y pétalos lozanos con encanto. De recuerdos también se vive en el otoño de la vida, y puede ser maravilloso todavía, aunque se caiga alguna hoja del árbol; los dulces besos y caricias que pueden llegar allí a donde el corazón te lleve.

    Decirte que es un poema precioso y sensual, escrito con verdadera maestría, felicidades.
    Me ha encantado y he podido leerlo mejor, está muy bien la letra con ese tamaño.

    Dale color a tus preciosas letras e ilústralas con una imagen y quedara un espacio precioso. Bueno, es un consejo que no has pedido, perdón no te lo tomes a mal eh!.
    Ha sido un inmenso placer pasearme por este lindo poema, también a mí me trae recuerdos.

    Te dejo mi gratitud y estima.
    Un abrazo desde este otro lado del mundo. España- Galicia.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  8. José Carlos, vc navega entre a doçura e o erotismo como ninguém.É delicioso te ler!

    Beijinho.:)

    ResponderExcluir
  9. Olá José Carlos,
    Uma cena que nos projeta a imagem bordada na soberba sensualidade
    e afetividade com uma luminosidade poética avassaladora, refletida
    nas ricas metáforas, numa simbologia seguida da tua originalidade
    e sofisticação literária.
    Apreciei muito, muito!!
    Quero agradecer a tua gentil visita e precioso comentário,
    com um olhar de excelência e sensibilidade poética...
    Grata!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. José Carlos
    Olha aqui, meu amigo, o teu blog é um 'vício' que a gente desenvolve em duplo prazer... Explico-me: escreves, descreves, numa mistura de lirismo/erotismo/sensualidade/volúpia, tudo isto percorrendo avenidas que no último verão fez tardes com sabor de encantamento num corpo de ninfa... Puro lirismo que pensas findar antes que um beijo ponha em desalinho "a loucura de mãos e bocas fulgurantes..." Ai sim, atiça-nos a imaginação para os 'pecados da carne' que só são cometidos por amantes ávidos/doadores de prazer...
    O primeiro vício é ler-te uma, duas, três... vezes.
    E aí começa o segundo vício a se entranhar no olhar: o vício de também ler os comentários! Pode isto? (risos).
    E confesso com despudor que me prendo nos comentário da nossa linda amiga Céu. Que dueto! Um embate de ideias, imagens, respostas e perguntas que nos fazem crer que são dois exímios escritores usando a palavra como armas que formam um belo diálogo que nos faz até 'imaginar' como seria um livro a quatro mãos escrito. Seria lindo de se ver, de se ler, de admirar e também de se instruir em como se processa um belo enredo.
    Desculpe, amigo, mas lendo as belas páginas da Céu com os teus fabulosos escritos, chega-se à conclusão de que ambos poderiam criar um outro blog que cruzasse os mares para se encontrarem no meio das ondas e formar postagens que, certamente, seriam lidas com o mesmo prazer, enlevo e admiração que as escritas dos dois em separado promovem.
    Se fui invasiva, peço desculpas, como também me desculpo com a Céu, pessoa a quem passei a admirar depois de ler muitos dos inteligentes e aguçados comentários aqui no teu blog, o que me levou a conhecer o seu espaço e a fazer a sugestão acima.
    Tudo com reticências, pois uma invasão assim não pode se processar como definitiva (risos). Admiro tanto os dois!
    Para ti, meu amigo, fica um carinho num beijo no teu coração,
    Helena

    ResponderExcluir
  11. Uma escrita de mestre que realça o pormenor que há em cada poro: pêlo ou gota ou gota e pêlo. Conforme o arrepio.

    ResponderExcluir
  12. Sempre que venho aqui recuso-me a ver tudo.
    Guardo, por mim e para mim mesma, as surpresas da próxima vez... e nunca me arrependo disso.
    Deixo abraços.
    Tenha um fim de semana loucamente feliz

    ResponderExcluir