sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Cena 13

Para Joelma Bittencourt

As amoras,
para a minha surpresa,
amadureceram
de ontem para hoje.

Entre um silêncio e outro,
elas atravessaram os umbrais
da adolescência
e sufragaram o teu corpo,
lambuzando-o
com uma tal doçura,

que uma loucura me acode,
apesar da lonjura,
bem perto da cintura
sobre a linha do mar.

Sinto
a maciez da polpa das amoras
nos meus dedos
ou é a maciez do teu corpo
recostada na tarde de prazer? 

Alarga esta tarde,
vai,
te suplico, te imploro!
me ligo ao teu corpo
por essa ardência, essa sede;

me envolvo nas amoras
da tua lira,
me afogo na tua chama,
que me chama e me inspira.

São tuas
as minhas amoras
queimando
neste fogo de ervas
na claridade da tua lira?

Ou são tuas
a permanência clara
deste amador
banhando-se nas águas
das palavras 
do corpo luminoso do teu poema? 

(José Carlos Sant Anna)

15 comentários:

  1. José Carlos,

    Eloquência lúbrica, e erotismo elegante. És um verdadeiro poeta.

    abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
  2. As amoras costumam sim, amadurecer num rompante, mas a bem da verdade, nem sempre. A percepção pode se dar assim de repente, quando a urgência “entre um silêncio e outro” remonta à adolescência e busca “com uma tal doçura” a loucura que passa a fazer parte “apesar da lonjura” no alargamento da tarde que se perde “sobre a linha do mar”. E assim fica o amador a banhar-se em águas tranqüilas das palavras que se desprenderam de um outro poema, deixando o poeta a sentir nos dedos “a maciez da polpa das amoras”. Ou será a maciez de um corpo que se recosta na tarde para se entregar ao prazer? Quem sabe, os dois?
    Meu amigo querido, coisa de gênio este teu poema! Correlação perfeita! Admiração profunda por poetas que sabem “duelar” com as palavras...
    Que te cheguem horas de muitas alegrias no final de semana.
    Meu carinho num beijo no teu coração,
    Helena

    ResponderExcluir
  3. Um poema encantadoramente delicioso assim como as amoras maduras. Soube bem colhe-las.

    Como sempre adorei, José Carlos.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente magnífico!!
    A beleza do poema num tom sensual e provocativo,
    que nos envolve no balanço da chama inspirada e
    inspiradora de claridades poéticas para uma
    amplitude das palavras com asas luminosas...
    Abraço de paz, caro Poeta.

    ResponderExcluir
  5. Fui, primeiramente, saber, pesquisar quem era Joelma Bittencourt, como era lógico.

    Inspirado, José Carlos! As amoras, infelizmente, sempre acabam por amadurecer, tal como outro qualquer fruto. Nada nem ninguém escapa ao tempo, esse vilão!
    Não foi de ontem para hoje, não, mas na nossa imaginação parece que tudo aconteceu ontem, mas muitos sóis e luas já passaram e você já as tocou, sentiu e beijou.

    Aparecem, fabricam-se silêncios, e a adolescência se faz adulta, num instantinho, e a vida muda, e tudo se transforma, restando apenas lembranças da amora, que já amadureceu, por vezes, até em demasia, mas que fazer, os anos não perdoam. Ficam as lembranças, que aconselho a arejar, a soltar, porque o mundo pula, avança e é preciso andar, continuar.

    Há pedidos imperativos, sombras de um passado, que sabe sempre bem recordar, mas pretérito será sempre pretérito. Presente é presente, e é nele que estamos vivendo, se desembaraçando das "teias da aranha" da memória, cogitando e talvez amando.

    Os dias não alargam, não estendem e a distância faz conjeturas em conjunturas, que agora até podem ser em Marte, pke tem água, portanto, talvez seja possível lá a vida, lá as amoras.

    "Transforma-se o amador em coisa amada", envolvendo as amoras, os frutos secos, as tâmaras, as rosas, a memória, tudo, para que as águas os banhem e para que o corpo do poema se alimente, minimamente.

    A POESIA NUNCA MORRERÁ, E ESSA É A CERTEZA, O ALIMENTO DE NOSSA ALMA! VIVA VOCÊ!

    Parabéns pelo magnífico e sumptuoso poema.

    Abraço com afeto.

    ResponderExcluir
  6. Amigo poeta,
    brilhante!!!!!
    tenho um poema tbm que falo das amores relacionadas a um grande amor!!!!!
    Maravilha!!!!!
    Bjos e desculpe a confusão de não achar as postagens!!!!
    hahahahahaah
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, José Carlos!

    Somos o que somos e somos tanta coisa! O importante é nossa essência.

    Lhe desejo umas férias bem repousantes, com frutos suculentos.

    Afetuoso abraço.

    ResponderExcluir
  8. Para minha surpresa e alegria o orgulho "voou", pelo menos naquele escrito de apresentação.
    Mas esse bracinho...! Não torce mesmo? Dá volta por cima, pelos lados, na vertical, na horizontal e na perpendicular.
    Pode ser k, agora, nas férias, os frutos maduros, com experiência e sutileza, o consigam. É tudo uma questão de dar e receber e a "fome" também ajuda.

    Boas férias, garoto!

    ResponderExcluir
  9. ¡Hola Carlos!!!

    Bueno, es un precioso poema que te envuelve e igualmente al lector, en un sensual rito y pasional amor.
    En medio de la dulzura de las moras maduras saboreando su néctar... Encendiendo la llama del ardiente corazón que late loco loco por rebozarse entre la pulpa de las moras. Todo el poema es exquisito y muy muy sugerente que invita a releerlo.

    Me quedo con estos bellos versos ...

    Me envolvo nas amoras
    da tua lira,
    me afogo na tua chama,
    que me chama e me inspira.

    São tuas
    as minhas amoras
    queimando
    neste fogo de ervas
    na claridade da tua lira?

    Chapó. Me encantan.

    Siempre es un inmenso placer pasar por esta tu casa.
    Te dejo mi cálido abrazo, mi gratitud y mi estima siempre.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  10. Vim agradecer e dizer que amei os versinhos que me deixou lá em meu blog. Vc é um fofo e muito querido. *o*
    Quando vc postar a próxima cena, volto para ler e comentar.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  11. Certamente, você emprestou as asas de um anjo e voou para os confins de sua alma, para colher versos tão lindos... Acertei, José Carlos?
    Adore!
    Beijos...com gostinho de amoras!!!

    ResponderExcluir
  12. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Pois se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  13. Que tal , um beijo de boa noite, com gostinho de mangustão rs?
    José Carlos, durma bem!!!

    ResponderExcluir
  14. Uau, Em grande, José Carlos! Que veio é esse que abre portas ao fermentar que há em si?

    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Vim, nas dobras do meu dia chuvoso, passear na tua casa tão aconchegante e que, além de tudo, me permite colher amoras.
    Passeando por aqui, desfrutando da sua hospitalidade :)
    Beijos

    ResponderExcluir