quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

O casaco de Natal




Meu Deus do céu! Será um sonho diurno ou noturno?
De repente, vejo como o ônibus estaca na beira da calçada. Apenas eu desço naquela paragem e entro num quiosque de batatas fritas quando o telefone móvel toca. São oito horas da noite. Mal tenho tempo de fazer o meu pedido ao balconista porque já me enternecia com uma mãe puxando duas crianças por uma das mãos, enquanto a outra era estendida à caridade naquela hora da noite. Ajeitei a mochila nos ombros, abri o zíper, enfiei a mão lá dentro e puxei o telefone, acompanhando o olhar súplice da mãe que esperava que eu tirasse uma cédula da carteira para ajudá-la. Pelo visor identifiquei a chamada, enquanto o ônibus permanecia estacionado no mesmo lugar. 
— E aí, Tio, tudo bem? Está resistindo bem ao inverno que não cessa a essa altura do ano? — disse-lhe com um ar sério porque ele acreditava no sobrinho e piamente que ainda se encontrava do outro lado do Atlântico.
— Filho, ainda está bem frio, aqui! A neve não para de cair, e os alemães também não resistem às nossas baionetas...
Era o queridíssimo Tio Hermógenes, também conhecido pela alcunha de Tio Rapadura, membro nato da família, e mais respeitado ainda porque pertenceu à FEB, Força expedicionária Brasileira. Estava ligando para desejar-me Boas Festas, em meio ao calor que nos atormenta no final do ano, quando começa o verão oficialmente aqui nos trópicos. 
Hermógenes era o nome de batismo. Era um bom moço, sedutor. Elegante, no vestir e no falar. Logo as meninas descobriam que ali estava um homem e ficavam olhando para dentro dele, sem saberem o que lhe dizer. Uma de suas namoradas, a Teca, a eleita, por ele e pela família, disse que Rapadura faria muito sucesso lá fora. 
Diante do estranhamento dos familiares ao ouvir aquela expressão, Rapadura, inabitual para apelidar alguém, ela saiu com essa explicação bizarra, mas que fazia muito sentido:
— Já repararam que ele tem a cor da rapadura e se derrete com facilidade na boca de cada uma de nós! 
Rimos todos antes que o ônibus voltasse a andar. O certo é que o apelido pegou. Ninguém o chama de outro modo. Assim Tio Hermógenes conquistou esse carinhoso nome de guerra como se logra um lugar no ônibus para sentar. E roda a sua vida com este nome desde que foi recrutado para o front pelo Exército brasileiro. Para os que não o conhecem ainda, é um sobrevivente...  
Bem, não vou lhes dizer que não sabia que estávamos às vésperas do Natal, estaria mentindo se o fizesse, porque os reclames dos festejos natalinos nos consomem com tanta antecedência que não há a menor possibilidade de qualquer pessoa se mostrar indiferente a tais apelos, que circulam pelo mundo afora, anunciando o nascimento de Jesus, mas que eu ando meio desligado, ah, isso é verdade. Eu tinha acabado de perder o meu emprego e ninguém sabia na família, portanto, estou me resguardando das intempéries, que não são poucas no país em que vivemos hoje, de tão poucas oportunidades.
Mas isso eu não contei logo para o Tio Rapadura porque não sabia como ele reagiria à notícia. E dos seus sobrinhos, é bom que você saiba, sou o seu xodó. 
Com a voz roufenha, desejou-me “Boas Festas” e me perguntou o que eu andava fazendo, como se adivinhasse o que tinha acontecido. Tomei um susto e dei-lhe uma resposta evasiva. Ele percebeu e me disse que eu não precisava fingir com ele porque eu sabia o que ele tinha enfrentado em Monte Castelo, tinha lutado contra os alemães, bem mais difíceis de lidar, além do frio, do que qualquer adversidade que eu estivesse enfrentando.
         — Que ele estava me vendo através da vidraça nua da vida — filosofou.  
Disse-me ainda que, embora estivesse muito cansado, de modo razoavelmente decente suspeitava que eu estivesse mentindo para ele, seu tio. Disse-lhe então de modo eloquente que parasse de suspeitar da minha vida, que não havia razão para duvidar de mim. 
— Por que eu mentiria para o senhor, Tio?
Redarguiu dizendo-me que tinha alguma coisa errada comigo pelo tom da minha voz, porque ele estava me vendo muito fechado, ele percebia. Disse-lhe que estava era muito cansado, que não estava fingindo, que estava tudo bem, tinha acabado de descer do ônibus e estava parado num quiosque de batatas fritas, feliz da vida. Que me desse um tempo, para pegar minha porção de fritas e uma cerveja. Ele perguntou se eu iria para o jantar da família, no domingo. Disse-lhe que nunca tinha faltado e que se eu pudesse levaria um casaco de couro novinho em folha para ele. 
Deu um sorriso bonachão do outro lado, dizendo-me que não precisava se preocupar, porque ele sabia que eu não podia fazê-lo...
— Meu sobrinho, um passarinho me contou... — E interrompeu a frase no meio.
Olhando fixamente para a mãe puxando os dois filhos pela mão, eu, desta vez, não tive coragem de retrucar nada ao Tio. E sem deixar de me lembrar de Joracy Camargo, o dramaturgo da peça Deus lhe pague, aproveito e estendo-lhe uma cédula de dez reais. Para agradecer-me, aquela senhora quase beijou a minha mão.
Tio Rapadura sofreu muito na guerra e tinha uns surtos. Vivia metido num casaco de couro qualquer que fosse a estação do ano. E eu não preciso dizer-lhe que só temos uma estação, o verão. É o calor o ano inteiro e, nessa época do ano, não há quem suporte 35à sombra. 
Domingo natalino. Tio Rapadura já acorda com o megafone na mão esquerda, vestido no seu casaco de couro, e a baioneta. Chega à varanda e, depois de abri-la em par, leva o megafone à boca, quando o telefone toca. Somente ele está acordado àquela hora da manhã. Ele sabe que não pode voltar atrás, mas recua. Porque ele também sabe que de vez em quando são necessárias provas para o fato de não conseguir suportar o mundo que o rodeia. E depois de tanta festa parece ficar mais insuportável ainda, por isso Tio Rapadura acordou mal-humorado na manhã do domingo, parecia ainda no front em Monte Castelo. O que será desta vez? Inquieto, rodava pela casa com o megafone na mão quando, surpreso com a estridência do ruído do aparelho telefônico e, contrafeito, correu, esquivando-se entre os móveis, para atendê-lo. Mas foi amistoso, até mesmo cordial, ao saber que a voz do outro lado era a minha. Como assim? oh, Deus! O que há com ela? Por que não ligou mais cedo? Por que essa história? O que você está fazendo? Tantas perguntas ecoavam do lado de cá que logo percebi que ele encetava propositalmente uma conversa sem pé nem cabeça, indiferente ao que eu lhe tinha a dizer. Murmurei alguma coisa, depois fiquei em silêncio para confundi-lo. E só depois de alguns minutos é que consegui expor a motivo da minha ligação, embora, num curso da conversa, a meia voz, porque todos ainda dormiam, eu percebesse que ele fingia que esperava a minha ligação há algum tempo, como se soubesse que eu tinha aquele compromisso, como se soubesse do que se tratava para que eu ligasse tão cedo. Chegou mesmo a me dizer que gostaria de pular o domingo e, como não pudesse fazê-lo, talvez o fizesse se Teca estivesse por perto. Se eu não iria buscá-la... 
Em seguida, com o corpo curvado, caminha em direção à sua cadeira que está onde sempre esteve. Ninguém se atreve a ocupá-la ainda que ele não esteja em casa. Sentado, tranquilo, entre duas mulheres, que ofuscam o seu olhar, ele diz com uma sabedoria ancestral que a vida das pessoas são como as histórias que acontecem na tela grande do cinema, o diretor se encarrega de consumá-las de tal modo que já vem tudo decidido de antemão, e é o expectador quem decide se leva ou não leva aquela história para casa. É dele a escolha. E deixou que os seus olhos viajassem pela estrada de ferro da memória até que o meio-dia se aproximasse, perdendo-se em miudezas antes de sentar-se para o almoço dominical.
Em casa, ligo a televisão e me deito no chão para ver o tempo passar, eu não tive coragem de contar-lhe que tinha perdido o meu emprego. Na tela, vejo o ônibus atravessando uma velha ponte que liga um bairro ao outro e, lá dentro, uma Vênus dança para dois passageiros solitários. 

(José Carlos Sant Anna)




quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Fantasia para um violão distante





TALVEZ A NOITE NÃO SE APAGUE, mas os olhos das estrelas hão de se apagar para a intimidade que se anuncia na boca cúmplice de maçã que ela traz e na luz lancinante que emerge do seu corpo. É assim que começa o outono, à beira deste amor nascente. E ela chega com um cheiro indescritível do seu reino sem fronteiras ou de um ameno verão. Inesperadamente. Cálida flor. 

Uno mas extasiado porque sabe que está perto do juízo final nas teias da fantasia da carne e no cume dos seus dentes, Tão Preto, cuja espera se contrai na intensidade dos afetos e de murmúrios afáveis, e também com o coração inundado e saindo pela boca, imagina ejaculações líricas no suor que escorre do seu corpo e na sua vontade de amá-la, juntando suas águas às dela. E antes que o mundo às margens percebesse aquele perfume, que se espraiava como uma eterna fulguração, entre o dia e a noite, dança e vida dos seus corpos, Tão Preto sente, sorrateira, a música dos músculos. Ascensão perfeita, pensa. Mas tudo parecia indizível. Mas se toda história tem um fim, o melhor é começar do começo antes de fazer a cama parecer pequena para membros, ventre, ancas e seios da rapariga, despertando a curiosidade do leitor. Embora não queira baixar as armas, ele procura acalmar-se para recebê-la porque sabe que é somente no amor que não se faz cavaleiro sem espada. É a musa da sua escrita que diz que vem. Mas não será um encontro poético como se não houvesse fumaça do fogo que se alastrava navegando palmo a palmo entre buganvílias. Tão Preto ouve seus passos no seu quarto. Vira-se na sua direção e diz-lhe "chegou mais cedo que eu esperava". Fecha os olhos e a vê com os cabelos molhados como na foto antiga, na imóvel espessura do seu biquíni. O seu hálito invade o ambiente. Percebe os seus olhos famintos. Que música é esta que se desprende do seu corpo? Também gosta do jeito que ela fecha as cortinas de cetim. Sem nenhuma palavra. E da fúria contida de desejo no seu rosto. O seu cheiro contrasta com o ar morno do dia. Gosta do verso do seu andar no salto do sapato meneando as ancas, da caligrafia apressada dos seus gestos, do animal que tem fome e que se revela pouco a pouco. O quarto está inundado com a sua presença. E do equilíbrio musical da respiração no seu pescoço. Dos suores mais densos. Gosta da estampa do seu vestido, da sua transparência, dos joelhos à mostra, dos pulsos avermelhados. O seu olhar queima a sua pele. Ela sabe, por isso não tem pressa. As molas da cama estalam ruidosamente quando ele se vira. O vento parece brincar por uma fresta da janela aberta, trazendo uma mistura de frio e êxtase. Sente o corpo frágil, e um arrepio. Ela se aproxima abrindo os botões da blusa... Espera um puxão para que os corpos se toquem... A ponto de explodir, coração acelerado, garganta seca, o calor de um corpo ao outro, a língua atrevida avança, deixa que a febre o consuma e se bebem mutuamente... no esplendor da luz dos seus corpos e da entrega, ela diz: "Promessa cumprida, sou tua". 

(José Carlos Sant Anna)


domingo, 26 de novembro de 2017

Lúdico III







Parece que tudo conspira na plenitude da penumbra, mas ainda não há história. E haverá? As pretéritas não se apagaram. E não morrerão. Agora só um ardor na pele a perseguir um grande sonho, esquecendo as folhas murchas e os prédios antigos, que nos corrói a alma em segredo. De que são feitos os homens? O que você ainda não sabe, é que esperei por este momento durante muitos anos. Pode se aproximar mais um pouco, assim não preciso levantar a voz para lhe contar essa história. É bem curta. E, por favor, não me julgue. Pode recusar também as minhas mãos vazias, fique à vontade. Embora curta, se estiver maçante, pode pedir licença e retirar-se. “Aceita uma taça de vinho? Trouxe essa garrafa de uma bodega lá dos pampas”. Comprei-a ao deus dará, depois de dois aperitivos para o jantar. Agora, para ser exato e não perder o fio da meada, em nenhum momento tive a noção do peso e das medidas do tronco mais silencioso do apartamento dela porque foi tudo tão rápido. Eu tinha saído para comprar um par de meias. Imagine! Por algum motivo quis sair de casa para arejar os pensamentos, levado por um vento cheio de fantasia. Assim, fui pelo caminho pensando nas minhas vivências, mas quase sempre se intrometiam outras estórias, que demandavam um tempo maior de deambulação. E eu as deixava no incessante retorno. E quando caminho à toa, pareço um planador pairando no ar, traçando grandes círculos no azul do firmamento. É o que mais eu gosto de fazer nessas horas numa pulsação serena, aparentemente intangível, enquanto caminho pelas ruas. Aí me pego lembrando ou inventando estórias que ficam sempre inconclusas. Só pego o carro quando é impensável a caminhada. Ah! tenho um arraigado hábito de recomeçar onde interrompera os pensamentos sobre as minhas vivências. Ainda que pachorrentas, são águas que nunca se cansaram de mim porque sempre soube que tudo volta. É assim que escrevo diariamente a minha história, com palavras silenciosas apenas roídas pelo vento. Misturando o perto e o longínquo, enquanto as pernas se alongam sobre as pedras portuguesas que abundam também na minha cidade. Como os caquis em São Paulo. Abundam. Tudo que eu buscara era um par de meias, era o que lhe dizia. De repente, eu ouvi um leve marulho às minhas costas. “Por que não leva o par de meias? Elas combinam com a sua meia idade? Da última vez que o vi, você usava uma bengala, eu o conheço bem, sei que não tem idade para isso! Puro charme, não é mesmo?” “Você anda me seguindo?” “Me observando?” Então, só então, levanto os olhos para saber quem é a pessoa que fala comigo com tanta intimidade! Nina! Já não esperava encontrá-la. Faz tanto tempo. Marina alcovitou e lá fomos para o cinema juntos. Foi a última vez? Saímos da loja. E lá vou eu caminhando ao lado dela pela calçada, dizendo-lhe que a bengala ficou à margem de um lago, esquecida. Nunca precisei dela, era um arrimo fictício, um fingimento poético, metafórico. Aquele amigo sacou a história da bengala, disse-lhe, como se ela o conhecesse, como se fosse um amigo comum da idade da emoção, como foi a nossa alcoviteira na época. Atravesso agora uma passagem subterrânea, e as cortinas se abrem em par pela avenida novamente. E uma torrente passando. Quem não entendia nada àquela altura, era eu, com a voz da noite me dizendo baixinho: "esquece... esquece". Passei outra vez pelas carroças, e não encontrei Nina. A dança das quadrilhas, o forró, a canjica, o bolo de aipim. O licor. Minha avó cheirando minha boca, eu me afastando, rindo e ela me dizendo "você bebeu, não foi, sem-vergonha!". E Nina não vinha. Os paralelepípedos exorbitando pelo caminho de areia, e o par de meias, ah! o par de meias nas mãos. Puxando a gaveta da cabeceira da cama, ela pega uma barrinha de chocolate, gira o tronco na minha direção e, com os lábios sangrando cacau, oferece-me um pedaço do chocolate, me lambuzando. Eu esperei por este momento durante anos. 

(José Carlos Sant Anna)


domingo, 19 de novembro de 2017

Lúdico II



Escrevo a palavra "não" e, imediatamente, me lembro que, alisando os bancos escolares, aprendi que não se começa a escrever um texto com a partícula "não". E todos nós sabemos que uma vez aprendida a lição, ela estará sempre solícita, guardada no silêncio dos escaninhos da memória e, quando dela se precisa, abre-se a gaveta e de lá se extrai o que interessa... Daí por que não comecei esta crônica assim... "Não muito longe daqui...". Agora, para situar um pato fora da curva, eu posso fazê-lo! Não muito longe daqui – é uma mentirinha, sem asas para voar, o que acabo de lhes dizer, pois o pato está muito mais longe daqui do que você imagina, mas achei que com este arranjo se tornariam mais críveis as minhas palavras – um pato atravessou uma ponte estreita desceu a margem e se embrenhou, feliz, no lago nas redondezas da minha casa. Ali, absorto, eu via suas penas coloridas brilhando à luz do sol enquanto suas patinhas, submersas, se mexiam fazendo a água girar em círculos à sua volta. Vou para o alpendre da casa e fico na minha rede de nordestino convicto admirando alegria do pato e, ao mesmo tempo, com um olhar movediço, acompanho um bando de andorinhas levantando voo de uma árvore próxima, cruzando a lagoa, para depois de um rasante alegórico sobre a minha cabeça sumir no horizonte. E, pela mesma ponte, logo atrás, atravessava uma moça, atenta, aos passos, por enquanto, enigmáticos, do pato na manhã ensolarada naquele recanto das minhas manhãs ensolaradas. Não escolho as palavras, por isso tropeço, mas esses tropeços serão compreendidos mais adiante. Enigmáticos para a moça, é o que creio! Porque ela pensava assim, eu não sei...  porque, como se via,  o pato andava solto atrás do vento, serelepe, com as patas nas costas, para capturar a liberdade nas águas da lagoa... Era o que parecia quando cantava essa canção sem letra: "Quá... Quá... Quá... Quá!...". Agora se ouvia esse refrão em vários tons na água e o click da moça flagrando as nadadeiras do pato. Sem o saber, o pato deu o que falar depois deste passeio porque ele foi parar nas procelas da fama, depois que o portão se fechou. Mas, desde o primeiro instante, eu compreendi as razões para que o portão se fechasse. E não vou mentir que suspirei ao ver que, pouco tempo depois, o pato estava de volta sem guardar nenhuma distância para mim, dançando alegremente como fizera antes no lago ou para minha imaginação. Parece que o pato quer se libertar dos grilhões do tempo. É um ser em libertação nas águas do lago. Há um sol invisível dentro dele, que só eu vejo. E um cheiro de folhas verdes em volta do lago que me anestesia. De repente aquele lago ficou maior que os outros do mundo que eu conhecia e era ele que levava silenciosamente os devaneios da minha lavoura. Como seria bonito se eu pudesse ver aquele pato de óculos escuros, sob o sol inclemente, nadando sobre aquelas águas antes tranquilas. Passei a mão pela minha fronte nua e me perguntei se aquilo que escorria era um chuvisco, só podia ser, ou meus nervos estavam à flor da pele, e eu não sabia. Não consigo entender porque a história do pato me deixou tão inquieto, na outra margem do lago ao ponto de não saber onde deixei a minha venerável bengala, que me dava amparo, embora eu precise mais de vento e seiva. Para ser mais exato, agora somos dois desamparados: eu, porque perdi a minha bengala, e o pato, porque já não pode voltar ao lago. Como não tinha pensado nisso. Tudo se move. Porque a porta do lago não tem chave é que o pato vai e volta, entra e sai, para a alegria dos olhos sensíveis, que não perde a volta triunfal do pato no lago. Ele voltou. E, no fundo do lago, o pato parece uma criança chafurdando na água do seu banho. Ninguém se dá conta do que se passa, apenas vê o pato que, "na sua vidinha besta", de nadador de águas escuras ou transparentes, nada oculta, no meio da água, indiferente a qualquer nostalgia, enquanto os olhos da fotógrafa, fixos, bem no fundo, seguem o rumo das patas sob as águas, ditando o ritmo, a cadência dos círculos quebrando o silêncio dessa hora. Desconfio que agora esse pato estará sempre diante de mim como uma chama branda que a alma emana ou como uma voz interior que ecoa quando menos a gente espera. 

(José Carlos Sant Anna)

sábado, 11 de novembro de 2017

Lúdico



Por onde andei?
Perdi o pato,
perdeu a moça!

Perderam-se também as palavras,
e o poema ficou entalado
na garganta.

Aí veio a moça e disse:
“Não faz mal
esse pato passou, virá outro”

Talvez a moça tenha razão!

Um pato que passa é como o amor
depois que o primeiro passa,
virão outros. É só esperar...

"Mas cada perda
tem o seu significado na vida",
diz para os seus botões!

E assim ele sobrevive ao luto
e a espera que outro pato passe!

José Carlos Sant Anna

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Bricolagem II



a esponja não apaga:
o filão de brancura
o fardo dos olhos,
a dor animal

sem a pomba de volta
a esponja não apaga:

a hora diluviana
o órfão maltrapilho
a mata de musgos
o peso do fogo

onde tudo é carência,
não se apagam os vários acontecimentos
perdidos nas minhas retinas
onde nada morre

signos amorfos, 
anti-mofo de um minuto atrás,
renegando este testemunho

nada escapa
agora
aos dedos vorazes,

e o lápis traz o imaginário
tecido por fios de raio laser,
cópia blasé de uma sintaxe enfurecida
que um gramático em férias
engendrou no cafè au printemps. 

Talvez nem isso,

mas,
quando o meu ego
em piração fenomenal
do vazio da noite
no bazar do meu inconsciente,
descobriu
um empedernido ator chinês
investindo ações em enredos
para uma escola de samba
dos arredores de paris
tudo mudou

ou o mundo desabava no solar do unhão
em pânico,

que é como eu me sentiria
ao escrever
as pequenas histórias dos heróis,
que não seriam senão clichês do bas-fond 
de enredos medíocres,
se a tpm de alzirinha, prá lá de esquisita,
não se embarafustasse
pelos meus sentidos nos happy hours,
quando não há outro lugar
aonde ir
depois de um carrilhão de nuvens.

à sombra da fina flor,
escuro desenho,
o meu desejo soletrava
as rasuras da voz de adriana calcanhoto
pelas avenidas e pelos tiranos becos
de feitio romântico da velha salvador. 

(José Carlos Sant Anna)

terça-feira, 24 de outubro de 2017

O colecionador

                                                                      
                                        Para Ingrid Azevedo
A chuva veio com o amanhecer na minha cidade de verão. Chuva forte, aguaceiro pipocando no telhado da casa, o que me fez permanecer na cama por mais um tempo. Depois, como ela não veio mesmo para ficar, foi-se devagarinho amainando. Só ficou a garoa. Chuva miúda, como se diz por aqui, porque garoa é coisa de paulista. Ontem choveu também. Agora, porém, está um dia morno, o calor voltando com força de levantar defunto. Não sei por que lhe digo estas coisas, ah, eu já sei, é porque estou com um guarda-chuva para o dia de hoje, mesmo sabendo que não choverá, é o que li nas folhas, pela internet. É um guarda-chuva de uma moça elegante; ela mo emprestou no bairro dos Bairris, um bairro antigo no centro da cidade, e foi embora antes que eu voltasse para devolver-lhe aquela preciosidade, vinda de Paris, como, sem rodeios, o confessou, rindo. É, todavia, um guarda-chuva pequeno, mal cobria minha cabeça, por isso molhei as pernas, de cima abaixo. Ainda bem que eu estava de bermuda, depois foi só passar papel toalha, para enxugá-las. Não, eu sei, menina, que se chama de sombrinha, exatamente porque cobre pouco o corpo. Também não sei se lhe disse que fui para o Bairris na hora do jantar e carregava três sacolas. Em cada sacola eu carregava três pares de sapato. Quando ela me emprestou o guarda-chuva, pensei que, ao voltar, eu lhe daria um par de sapatos de presente, seria uma forma de agradecer-lhe o empréstimo daquele objeto que não estava me sendo muito útil por ser pequeno para o meu tamanho, que só protegia minha cabeça e os ombros, mas ela desapareceu. Fiquei pensando que ela poderia ter ido chamar um soldado ou procurar um carro da polícia, para denunciar-me pelo roubo do seu guarda-chuva. Herdei essa presunção de minha mãe de ficar pensando coisas, mas tinha certeza de que ela não faria isto comigo, minha conversa com ela foi tão amena, razoável, me fiz acreditar com a história de ter deixado um pacote no carro e precisava ir pegá-lo, e a chuva não me deixava fazê-lo. Você acha que eu seria capaz de desaparecer com o guarda-chuva da moça elegante? Sabia, agora estou falando com você da borda da minha cama, mas preocupado, ô molesta, com a moça que pode ter tomado muita chuva por minha causa, embora eu não tivesse desaparecido. Nunca faria isto. Foi ela que desapareceu, de repente. Levantei da borda da cama e estou caminhando pelo carpete com os pés descalços e pensando na moça. Seria tão bom se ela me telefonasse, não sei se ela aceitaria o meu pedido de desculpas, mas seria um bom pretexto. Como minhas ideias estão desarrumadas porque é a primeira vez que me acontece uma coisa destas, fui eu abrir a porta do armário achando que ela poderia estar escondida lá dentro, mas, ao abrir a porta do armário, tomei um susto porque as roupas despencaram em cima de mim, parecia um tsunami em pequenas proporções. Essa falta de vontade de resolver este problema, fez-me lembrar que não é primeira vez que carrego um guarda-chuva que não é meu. Acho que sou um cleptomaníaco de guarda-chuvas. Vou olhar a minha coleção, ah, que bela surpresa, há dezenas deles, na parte de cima do armário, que batizamos de maleiro, puxa, tudo tem um nome, a moça também tem um nome, mas não me lembrei de perguntar-lhe, de pedir-lhe o telefone. Olho um por um.  Este é um deles, de Campos do Jordão, sim, do Jordão, é assim que se chama. De lá tem mais de um, são dois ou três, não sei explicar o porquê de tantos. Do Jordão, homenagem a Emerenciano Jordão, o dono das terras antes que se tornasse a estação de águas que é hoje; este, da Casa da Música, na cidade do Porto, este de Munique, já sei está achando que é pura bazófia, não é?. Pois então você que ache... Esquece...  Agora é tarde, mas sinto falta da moça por alguma razão obscura. Espere um pouco, não, espere, não freie o meu sonho, agora, minha divagação. Vou à janela porque ouço um barulho nas telhas. É a chuva, está fininha ainda, mas ela está voltando com garra. Na primavera é assim, sempre chove. Talvez a chuva traga a moça de volta. Espero que o vizinho de porta, de frente, não veja a moça entrar na minha casa ou pense que estou ficando maluco por estar abrindo a porta para uma moça de galochas, invisível, na minha cidade de verão, entrar. 

(José Carlos Sant Anna)

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Bricolagem



tudo o que ela queria
era um flash,
um instantâneo
nada, nada mais que isto,
ou talvez, quem sabe,
tudo isto.
epígrafes nas páginas ímpares,
escritas ao léu,
filmes
gibis
baralhos
tarôs
bricolagens

o caralho
ou imagens bruscas do Aleph de Borges
ou um bouquet de Simone de Beauvoir
no café da manhã
e o coração bumerangue
não estaria nem aí
para a histeria de Freud com pane
no seu imaginário
ou para as linhas tortas do império romano
sem as agruras de César
e, mesmo assim, com um Balzac caricato
o que ela faria do seu diploma
de anjos radioativos,

conspurcando o retrato da sociedade da época
se o levassem a um cruzeiro
em mar constelado
cheio de metáforas de incertezas?
o que seria da maquete
de frutas agônicas,  

adornando um salão de arte?

o desvario do seu idioleto é
a estupefação da sua poesia
Ah! e como ela oscila nos lapsos
da reinvenção da palavra. 


(José Carlos Sant Anna)




sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Definição



o poema
é cabeça torta de menino
que ainda não aprendeu
a enfiar o botão na casa


(José Carlos Sant Anna)



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

euclidiano



Euclides tinha razão
o ponto não tem tamanho
e zero é a sua dimensão. 

(José Carlos Sant Anna)


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Sobre uma casca



Descabido no orvalho, penso diferente
do que sonho porque o inefável me acena
palavras que me fazem tão leve, por acaso
mais leve do que claro, sem que firam o ser
ou o corpo que contraio. Logo, não me aferro
ao sonho, ao amor da existência que me
fere a pele, que aguça a minha sede, aflige
o meu sono e me abandona às margens
dessa vida em que me diluo sem saber
se o que estava em mim me subjugava
ao nada ou é o excesso que se move como
um rio ou é uma febre que só a si mesma
se compara, movendo-se dentro de mim
distendida como se fosse um par de asas. 

José Carlos Sant Anna



segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Água doce no outono


No quarto o coro das máscaras o jogo de xadrez e a chave da tarde no meu bolso Ela apenas de shortinho jeans blusa de malha e os faróis acesos Cena de cinema com uma lua em quarto crescente No acaso das coisas me fiz pássaro E nos seus braços súbitas janelas se abrem sem que eu revele a ligeireza das minhas asas E mãos e boca E a palavra ascende Sei este é o caminho A proa que desliza fugindo do sequestro iminente Quando a procurei minha Isolda cor de romã você me disse Você é a minhoca que faltava no meu anzol é o pão com sabor de arrefecido verão mas não vale o til da minha maçã Com o corpo mordendo disse-lhe que estava germinando a água do meu corpo e que eu borbulharia antes de morrer morrer morrer Você riu porque não sabia que os brutos também sonham geografias e os muros estremecem à sombra de um mito grego. Aqueles faróis são o bosque mais secreto revelado E por que sem nenhuma roupa não A transparência da malha não é uma conjugação de vogais porque me ardo em consoantes Tocar a luz mortal na sombra do muro escuro nas suas entranhas nas suas raízes mais fundas é desvario Ter o seu corpo duplicado através do espelho em que me ardo enquanto ainda sou um cálido tronco de água é devaneio Que me dirás você pergunta Pelo olhar as palavras falam É da sua luz São os seus faróis Parecem flor de centeio Como se não houvessem as palavras iluminadas na maciez do seu corpo soletro seu nome na canção da sua pele de pelúcia macia Estas mãos que ainda buscam o bafo da terra a qualquer momento raptam a sua nudez sonhada antes que eu possa começar tudo de novo Longínqua perscruto a música do mar ávido de ilustrações para esta tarde que azula atrás do morro.

(José Carlos Sant Anna)


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Sem alegorias



A CHUVA NÃO DEU TRÉGUA durante toda a madrugada daquela segunda-feira, medonha, e ainda corria solta, pela manhã, como se fosse uma tempestade tropical, deixando as ruas da cidade inteiramente alagadas, quando Maria pulou da cama, de um jato, olhar fixo no despertador, desnorteada. Ao vê-lo marcando oito horas da manhã, se sabia atrasada e que haveria, como das outras vezes, refrega na casa da patroa. 
A empregada, que acordava todos os dias antes que sol se mostrasse pelos vãos das telhas de sua casa, tinha perdido o horário. Às pressas, vestiu a roupa, ajeitou um lenço nos cabelos para esconder o quanto estavam amarfanhados, correu ao banheiro e saiu sem tomar o desjejum. Pão com manteira e uma caneca com leite. 
Ela não sabe como conseguiu entrar no ônibus, de tão apinhado que estava, havia poucos circulando na manhã de tempestade, para não chegar tão atrasada no trabalho, pois conhecia a patroa. E muito bem.
Entrou na casa dela, completamente encharcada. Roupa de cima e de baixo. E a patroa, alheia ao mundo lá fora, olhando o próprio seu umbigo, perguntou-lhe porque estava chegando tão atrasada.
Sem titubeios, ela disse com um brilho nos olhos:
– É patroa, enquanto a senhora se remexia embaixo dos lençóis com o seu marido, eu enfrentava esse dilúvio... 


(José Carlos Sant Anna)




terça-feira, 29 de agosto de 2017

Exercício para flauta e oboé




Só comigo
acontecem essas coisas:
contar meus segredos
ao relógio de parede.

Pode não ser o fim do mundo,
mas é no mínimo inusitado.

É o que me diz
o terapeuta

no momento em que a tarde
esplende do lado de fora 

e os antigos amigos 
sem subterfúgios transitam 
como um barco
pelas avenidas da minha memória

às vezes, agitados, 
outras,
pousando nos bares como aves lerdas
para fugirem do tédio

Tudo porque não têm 
um relógio de parede 
fatigado 

ruflando suas asas
para a vastidão das coisas finitas

coisas que nos aguardam nas esquinas
como as rosas de maio 
ou as linhas da vida esculpidas

nas palmas das mãos
sem que nos digam o que somos... 

(José Carlos Sant Anna)


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Dedicatória





Este é o meu penhor
pelo teu olhar de frevo lírico
nos repuxos desenhados no ar
das tuas mãos e dos teus pés
tão leves
mas que deixam um sinal forte
da tua presença
nas dobras dos dias. 

(José Carlos Sant Anna). 

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A ótica de Carlos





Um espadachim. Era como ele estava se sentindo depois da breve escaramuça na antessala da academia de ginástica com um oponente. "Pode isso, Arnaldo?". Como o mundo é o que corre lá fora, Carlos, para não ficar só, abandonou a esteira em que queimava uma gordurinha, e pernas, para que eu as quero?
Este era o caminho para entender as razões do que estava àquela altura acontecendo consigo mesmo. Ou como um sim inesperado que a vida parecia oferecer-lhe, caminhava se interrogando, intrigado, por que, depois que deixou a ótica no final da tarde do último sábado, não parou de pensar na consultora que o atendera? Que bela morena! Morenaço! E como ela não revelara, nem um pouco, uma alma pequena, achou que valeria a pena o derrame de neurônios que se perdia no rio da sua libido. Tudo estava em ordem em sua vida até aquele momento, mas, de repente, achou que faltava ela no seu caminho.
Logo depois que deixou a loja, Carlos, sereno, seguiu para o Porto da Barra para montar guarda. Lá, tomando um chope aguado, cheirando a maresia, e com o cocô de cachorro impregnado nas calçadas exalando pelas portas a dentro dos bares, imaginou que talvez ele não soubesse que o centro do mundo é um ponto escuro, que não se tange assim como não se quer nada ou com poemas que se digam inconfessáveis. Ou mesmo não soubesse ainda que o segredo da liberdade é saber esquecer antes que ela se torne um amor cruel, tangida por um condutor de bondes.
Sôfrego, sem que as sombras o iludissem, ficou murmurando depois algo contra si mesmo. E logo, enviesadamente, por saber que o mundo não é mundo, mergulhou num silêncio atonal recolhendo este segredo que não sabia quando desfiaria e para quem o desfiaria, e que, se possível, ainda desfiaria este rosário naquela noite cujos primeiros acordes já se fazia ouvir com o pôr-do-sol.
Saiu da loja de braços dados com uma novela e a tranquilidade de sua alma acreditando que tinha feito o melhor ao trocar também a armação dos óculos. E começou ali mesmo a reconstituir o passo a passo da sua conversa com a consultora de um pouco menos de duas horas, mas, ao que parece, ele tinha deixado escrito em sua pele seja bem-vinda. E dizia para si mesmo "Venha, mas venha leve para que eu não acabe os meus dias em silêncio, porque a primeira impressão não é a que fica. Isto é um engodo. Venha, sem pressa e com vontade de sonhar, passear pelas ruas de mim mesmo, sem gatos a espreitá-la. Venha que, quando a festa estiver no ápice, eu reparto as cordas da minha lira com você". 
Lembrou-se que, ao assomar à porta, ela se levantou da cadeira e se dirigiu à entrada da loja encurtando a distância que a separava dele e, sem afastar o olhar um milímetro, ela lhe estendeu as mãos, perguntando-lhe:
– Posso ajudá-lo? 
– Queria falar com Cristina?
– É aquela ali. Ela está ocupada no momento – disse-lhe apontando para uma moça de cabelos compridos, que mostrava na vitrine algumas armações para um cliente que entrara na loja um pouco antes de Carlos.
– E o Procópio?
– É o gerente da loja. É aquele senhor, na outra extremidade, atendendo aquelas duas moças – disse-lhe, mostrando um senhor parrudinho de cabelos grisalhos, de mais ou menos 50 anos, que abriu um sorriso carregado de simpatia da sua mesa de trabalho, quando percebeu que Carlos estava ali para falar com ele.
– Venha, sente-se aqui – disse-lhe a consultora, puxando-o pelo braço com um jeito sedutor. – Vamos conversar enquanto esperamos Procópio fechar o contrato com as duas moças – acrescentou.
– Posso adiantar-lhe o que me traz aqui, se você quiser! Como é mesmo o seu nome?
– Ana Flávia! Mas pode me chamar de Ana!
– Com tanta simpatia da sua parte, acho que não preciso esperar por Procópio – disse-lhe piscando um olho e com o outro fixava a sombra bem delineada no seu rosto.
Ela fez de conta que não entendeu o seu gesto, mas o recolheu com um sorriso ambíguo.
– Como o senhor vem recomendado, podemos ir conversando, sim, mesmo sabendo que a palavra final será dada pelo Procópio. Ele fará o que não poderei fazê-lo!
– Tenho cá minhas dúvidas  disse-lhe tocando levemente sua mão.
Ele meteu a mão no bolso apanhando a receita dos óculos, colocando-a sobre a mesa de trabalho de Ana Flávia. Ela a tomou em suas mãos para conferir a quanto ia o astigmatismo de Carlos, que se preocupava em observar os detalhes do seu rosto, da sua pele. Até que ela se levantou para apanhar as armações, então, ele pode acompanhar o movimento ritmado das suas ancas. Suspirou duas vezes e passou a mão no rosto para limpar o suor que deixava nele um brilho excessivo.
O estilo pode muitas vezes ser um fake na vida de cada um. E, por favor, nada de truques porque a vida não aceita rasuras no seu percurso infindável, é o que ele diz a si mesmo antes de voltar a olhar a fração de mar que se descortinava na solidão da sua mesa e, em seguida, chamou o garçom e pediu mais um chope.
Depois que ele se afastou, Carlos se lembrou rapidamente do garçom do Café com Letras, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, quando ele pegou a sua tulipa ainda cheia de chope e fingiu que estava levando-a de volta para a cozinha.  Ao perceber a sua reação, disse-lhe com um sorriso largo de domador:
– Me acompanhe. Já consegui uma mesa lá dentro. Vai começar a sessão de jazz. E o senhor só vai me agradecer esta gentileza porque são músicos de uma elegância que as notas parecem em êxtase. – E sorriu.
Carlos não se dá por vencido e volta a se perguntar por que não parou de pensar na consultora. Ouve os acordes iniciais do concerto e os confunde com a noite de jazz do Café com Letras e outro baile interminável mais distante no tempo. E como se a consultora estivesse perto diz-lhe que queria lhe mostrar sua outra face, a mais sisuda, e apagar a paródica revelada no sábado à tarde. 
Às dez da noite, Carlos, depois de cinco canecas de chope, era um espantalho de homem, subiu para o restaurante porque ela não apareceu para jantar como ficara tacitamente combinado. Adeus, pressurosos ventos das sonhadas manhãs ensolaradas.
Pouco sabemos dos rios que nos afogam. Ainda hoje Carlos não deixa de pensar na consultora depois do encontro na loja na tarde daquele sábado. Foi um sobrinho que pegou seus óculos novos.  

(José Carlos Sant Anna)