terça-feira, 24 de abril de 2018

Sobre os trilhos






Vou, sim, vou
digo ao ouvir o terno chamado
do alto da janela do trem
ao subir colinas edênicas
anunciando chuvas benfazejas

Vou, sim, vou
banho tomado e mala pronta
cavalgando manhãs
repisando sonhos
antes que os caminhos se fechem

Vou, sim, vou
urdindo meus calendários
em madura felicidade
na clave do comboio sobre os trilhos
à espera de auroras sossegadas

Vou, sim, vou
já nada me dizem os longes
porque sei que a moça me espera 
com afagos e carícias
para os mais longos amanheceres. 

(José Carlos Sant Anna)





12 comentários:

  1. Boa tarde. Visitando e elogiando a sua publicação: Poema maravilhoso.
    .
    * Amor = Fogo que Arde em Chispas Ardentes. *
    .
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  2. Que os amanheceres sejam sempre assim longos de afagos e carícias!

    Muito bom o seu poema!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. "Vou, sim, vou..." - beleza de poema, José Carlos!
    A viajem, a espera, o sonho e tudo desemboca em

    "com afagos e carícias
    para os mais longos amanheceres.

    Parabéns, meu amigo, poema de classe!
    E após essa viajem que acompanhei através de sua ótima construção, uma feliz semana pra você.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Ir com a luz da manhã enrolada no olhar, sem receio do seu próprio assombro...
    Magnífico poema, meu Amigo!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. e vai o Poeta ao sabor do dia
    cheio de energia
    sem olhar a trilhos
    sem pensar em nada
    ao encontro da moça
    e das ternuras do amor...

    :)

    ResponderExcluir
  6. Belíssimos... estes trilhos de vida... de quem soube apanhar o comboio da felicidade... e sabe que a viagem valerá a pena...
    E absolutamente delicioso, apanhar aqui, o trem da sua inspiração, José Carlos... embalado ao ritmo do grande Nat King Cole...
    Um magnífico post para apreciar e reapreciar!...
    Beijinho! Feliz fim de semana... também um pouquinho antecipado... dado que amanhã, estarei off-line!...
    Ana

    ResponderExcluir
  7. para quê os "longes", se a felicidade está ali tão perto
    pronta a ser colhida?

    "Carpe Diem", caro José Carlos

    grande abraço. meu amigo

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um poema muito bem urdido e belo.
      A anáfora dá-lhe uma graciosidade muito especial.
      Muito talento numa pressa para apanhar o trem... rsss.
      Nat King Cole é sempre sinónimo de canção excelente.
      Gostei, José Carlos.
      Abraço
      ~~~

      Excluir
  9. Muito belo o teu poema, de um alto astral
    que transmite este sentir de alegria, que bom
    a vida nos trilhos, neste país desgovernado, fico
    sinceramente alegre de ver alguém feliz e com
    esta grande expressividade poética que é sempre
    a tua arte poesia.
    Vá lá viajar e encontrar a tua amada, poeta
    e seja feliz!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. É ao som de Nat Kinga Kole que deslizamos nos trilhos de um poema melódico e pleno de ternura. Uma viagem idílica, com chuva benfazeja, na demanda de longos amanheceres.
    Parabéns, amigo José Carlos.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Maravilhoso, poeta. Vou sim, continuar a vir aqui adormecer com as suas madrugadas para depois acordar ao sabor das suas auroras. Um abraço Carlos.

    ResponderExcluir