sexta-feira, 6 de abril de 2018

Utopias V






Por quanto tempo
o calor ata a minha língua 
na canícula da manhã em transe

enquanto o escambo com o vento
põe-me de pé, ébrio de sol,
velando
o sono matinal das nuvens

que jamais nos pertenceram
embora deixem a terra mais fecunda

Ajeito-me, então, no leito
de pedras flageladas pelo céu 
coberto por alentos de vinho branco

enquanto a minha voz 
em conluio
com a nudez das minhas mãos
encena uma farsa para o lúbrico sol.

(José Carlos Sant Anna)


Tive o privilégio de ter um poema publicado ou republicado por uma amiga portuguesa chamada Ana Freire, no seu blog artandkitsblogspot. Dona de um sensibilidade imensa, vale a pena conhecer os seus textos e, sobretudo, as belíssimas fotografias que o seu mágico olhar vai velando e desvelando para os seus admiradores. Ela é uma anfitriã de alta estirpe. Este é o endereço do seu blog: http://artandkits.blogspot.com.br


13 comentários:

  1. Bom dia- Poema sublime, fascinante de ler.
    .
    * Amor: Súplicas do meu sonho *
    .
    Fim de semana feliz.

    ResponderExcluir
  2. Tenho a impressão que já tinha comentado...
    Gosto tanto da Alma Lírica, como do poema...
    Belíssimos!
    Gosto muitíssimo do Brasil.
    Ótimo domingo. JCarlos.
    ~~~

    ResponderExcluir
  3. Bah, Zé Carlos, esse poema está um show! Lindas demais tuas construções poéticas.

    "Ajeito-me, então, no leito
    de pedras flageladas pelo céu
    coberto por alentos de vinho branco"

    Beijo, querido amigo, um bom domingo.

    ResponderExcluir
  4. JCarlos

    alma lirica ou tão somente
    o Poeta ébrio de sol
    e inspiração...

    adorei

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  5. O fascínio do sol, do vento, das nuvens. É na "nudez das mãos" que começa o poema...
    Sempre fantástico, meu Amigo!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. que o Sol reine sempre na tua voz de poeta brilhante, caro José Carlos.

    "nudez das minhas mãos
    encena uma farsa para o lúbrico sol",

    o poeta agora encantador de serpentes: a "oficiar" a orquestração das mãos nuas. e a farsa!

    forte abraço, caro José Carlos

    ResponderExcluir
  7. Suspenso da alma lírica brasileira, o poeta parece entrar em transe para nos oferecer a canícula da palavra.
    Que alento, amigo José Carlos!

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  8. Um poema fantástico que amei demais. O poeta com todo o seu esplendor em transe, de mãos nuas e de alma cheia. Boa semana amigo e beijos com carinho

    ResponderExcluir
  9. Um poema fantástico que amei demais. O poeta com todo o seu esplendor em transe, de mãos nuas e de alma cheia. Boa semana amigo e beijos com carinho

    ResponderExcluir
  10. Um excelente poema no diálogo com o tempo, as
    palavras luminosas encenam o espaço dos significados,
    de mãos dadas com os questionamentos existenciais na
    "leveza de vinho branco", a se eternizarem entre
    "nuvens" e o sol na utopia poética luminosa
    do José Carlos.

    Sempre um privilégio a leitura aqui, meu caro amigo.

    Votos de semana feliz!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Uma verdadeira degustação da vida, neste sublime poema... materializada no acompanhamento... e alento... proporcionado por um prazeroso copo de vinho branco... e mais um trabalho poético... no qual ficarei de olho... para um futuro destaque, José Carlos, se me der licença! Até já me decidi pela imagem que idealizei para o mesmo... Vou aguardar podê-la concretizar, no cenário e hora... que os dias de Verão, me possam proporcionar... conforme, já a estou a idealizar... e junto do meu elemento favorito, no Verão... junto ao mar... :-))
    Fiquei sem palavras, pelo carinhoso destaque, que nos foi aqui dado, José Carlos! Não carecia!... Eu é que tenho a agradecer, o privilégio, de poder estar em contacto, com o seu talento e sensibilidade, em cada um dos seus fantásticos trabalhos, que por aqui, sempre vou tenho ocasião... de saborear... :-)
    Um beijinho grande! Agradecendo uma vez mais... e lamentando o meu atraso em passar por aqui... de momento, numa fase de novo mais ocupada... em que os exames e consultas da minha mãe, de rotina, só terminaram por estes dias... pois sendo faseados... sempre me ocupam uma série de dias... para ela não stressar... visto ser doente cardíaca...
    E já com mais tempo, neste final de semana, conto passar por aqui de novo, para ver mais alguns posts, que nestes últimos tempos, mais ocupados e atribulados, se me escaparam...
    Ana

    ResponderExcluir