segunda-feira, 11 de junho de 2018

Um bom bocado




morri um bom bocado hoje à tarde
comido pelos teus olhos
antes mesmo de voar para as câmeras
agarrado
ao teu livro como se fosse um literato
um bom bocado
a tua boca também me comeu
e morri mais um bom bocado
hoje à tarde
ainda bem que não foi completamente
que a morte pediu passagem
vagarosamente em minha direção
mais vivo ainda o enxame de palavras
como se me abrisses a boca
tão perto da tua, mas não o suficiente
para tocarmos nossos lábios,
antes que o sorvete derretesse.
Você entende o que eu digo? 

(José Carlos Sant Anna)

8 comentários:

  1. Bom dia.
    Poema maravilhoso de se ler. Obrigada:))


    Hoje: -Careço das tuas palavras de conforto .

    Bjos
    Votos de uma óptima Terça-Feira

    ResponderExcluir
  2. Que lindo. Morremos um pouco cada dia. Fique bem Carlos. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Excelente poema, meu Amigo! Ao lê-lo lembrei-me do nosso poeta José Gomes Ferreira quando diz: " Viver sempre também cansa!... E obrigam-nos a viver até à morte!... Pois, não era mais humano morrer por um bocadinho de vez em quando e recomeçar depois, achando tudo mais novo?"...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Toc, toc, tem alguém em casa? Hum, hoje cheguei mais cedo, prometo não fazer barulho. Ah, que pena você não está! Poema lindamente escrito, ouvindo essa linda canção, e saboreando uma xicara de chá em homenagem a vida. Vamos morremos e revivendo dia após dia.
    Continuação de boa semana meu amigo!
    Um abraço apertadinho e um bj no coração
    Escrevinhados da Vida

    ResponderExcluir
  5. Morrer,sim! mas devagar...

    pelo menos enquanto houver um "enxame de palavras" no palato
    e o mel de outra boca, expectante...

    e a voracidade de um beijo!

    carpe diem, caro José Carlos

    forte abraço

    ResponderExcluir
  6. Seu ótimo e criativo poema me fez pensar se ao morrermos aos pouquinhos não seria mais cruel? Dessa maneira teríamos plena consciência do fim de tudo. Enquanto estiver existindo lucidez, existirá o instinto de conservação, o apego à vida.
    Poema, mas que me levou a refletir em algo que é mais do que certo: a finitude. Não sei se entendo o que você diz, mas entendo o que você me fez pensar! rs
    Beijo, meu amigo!

    ResponderExcluir
  7. Olá, gostei do seu blog é muito interessante, eu tenho um blog onde escrevo os meus textos de diferentes temas , Fico aguardando a sua visita se gostar pode me seguir.
    Cumprimentos.

    ResponderExcluir
  8. entender eu entendi
    e sei entender que se morre sempre um pouco
    todos os dias
    mas há muitas maneiras de morrer .... ;)

    gostei!

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir