quinta-feira, 20 de junho de 2019

Contracanto



Bailado que não se guarda, 
me cativa, 
ainda que se esquive, 
me prende;
bailado que não me carrega
enlaçado a seus pés
como uma estrela na escuridão
é bailado que não quer saber
o gosto da fome e da febre
do meu coração.

(José Carlos Sant Anna)



quinta-feira, 6 de junho de 2019

O sol nosso de cada dia



Sol a pino
inundando a terra
entre formigas e minhocas,
prismática bênção do dia,
estrugido de abandono
banhando a vida enraizada
nas matas de musgos
em que o olho matreiro
dilata-se.

E dilata-se 

pela terra prometida
como se pudéssemos
erguer um alento
pelo que não somos
crescendo para esta luz
que se move 
como todo o ar
pelas coisas inenarráveis.

Dilata-se descaindo sobre a terra
sobre a mão que se alarga
no poema que principia
no limite de cada dia. 

(José Carlos Sant Anna)