sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Camisa amarela



Nesses tempos de cinza em que o inimigo está solto e se disfarça, além do milagre do teu canto e dos teus olhos vulcânicos, me acordei mordendo os sonhos, perdidos, nos escuros das palavras de menos, e nas cantigas mais doces, para recuperar o orvalho de brinquedos do amor e não me tornar um oco capaz de endoidecer na eternidade amarga do instante. 

(José Carlos Sant Anna)

6 comentários:

  1. Uau, querido amigo, voltou!!! E com um show de texto, gostei muito. Nara Leão, saudades dela...
    Fez falta, amigo, espero que você esteja bem, que tenha sido apenas um descanso.
    Um bom fim de semana, com ótimos contos e poemas da grife.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Um texto magnífico que só podia ser escrito por quem sabe sentir cada instante que passa e deseja o milagre de cada dia… Adorei ouvir Nara Leão.
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Saúdo-te, Poeta!
    e se me permites, meu amigo, compartilho desse "morder nos sonhos, perdidos" que importa reavivar, apesar "da eternidade amarga do instante"

    fraternal abraço, caro José Carlos

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito da doce melodia e das belas palavras
    "e não me tornar um oco capaz de endoidecer na eternidade amarga do instante." Nunca isso...

    Bom Domingo

    ResponderExcluir
  5. Quem percebe é quem se apercebe das subtilezas do tempo em que vogamos na incerteza. O Poeta tem o atinado recurso de trazer o passado ao presente; até do amor.
    Belíssimo trecho, as usual.
    Saúde, com um abraço do velho continente.

    ResponderExcluir