quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Bricolagem II



a esponja não apaga:
o filão de brancura
o fardo dos olhos,
a dor animal

sem a pomba de volta
a esponja não apaga:

a hora diluviana
o órfão maltrapilho
a mata de musgos
o peso do fogo

onde tudo é carência,
não se apagam os vários acontecimentos
perdidos nas minhas retinas
onde nada morre

signos amorfos, 
anti-mofo de um minuto atrás,
renegando este testemunho

nada escapa
agora
aos dedos vorazes,

e o lápis traz o imaginário
tecido por fios de raio laser,
cópia blasé de uma sintaxe enfurecida
que um gramático em férias
engendrou no cafè au printemps. 

Talvez nem isso,

mas,
quando o meu ego
em piração fenomenal
do vazio da noite
no bazar do meu inconsciente,
descobriu
um empedernido ator chinês
investindo ações em enredos
para uma escola de samba
dos arredores de paris
tudo mudou

ou o mundo desabava no solar do unhão
em pânico,

que é como eu me sentiria
ao escrever
as pequenas histórias dos heróis,
que não seriam senão clichês do bas-fond 
de enredos medíocres,
se a tpm de alzirinha, prá lá de esquisita,
não se embarafustasse
pelos meus sentidos nos happy hours,
quando não há outro lugar
aonde ir
depois de um carrilhão de nuvens.

à sombra da fina flor,
escuro desenho,
o meu desejo soletrava
as rasuras da voz de adriana calcanhoto
pelas avenidas e pelos tiranos becos
de feitio romântico da velha salvador. 

(José Carlos Sant Anna)

14 comentários:

  1. Tantas dores!
    Precisamos da Pomba de volta.


    Bom fim-de-semana, amigo!

    ResponderExcluir
  2. Oiii, adorei a sua visita! Gostei muito desta letra, reflete um desejo e a um mundo tão intimo!
    Volte sempre, adorarei recebê-lo!
    Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  3. Olá José Carlos!

    Se tudo é carência, aqui vão os meus beijos para amenizar tanto sofrimento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Poema que vai ao osso, numa inquietação fina e magoada!
    pressente-se nessas hábeis figuras de estilo, onde pretendes "esconder" o "demasiado humano" poeta.

    mas não tens safa possível - és um poeta engajado!
    e como não ser, se o Mundo desaba?!...

    caloroso abraço, caríssimo José Carlos

    ResponderExcluir
  5. Tem vidas tão cheias de carência e amargura... que jamais conseguirão ser lavadas... e levadas da alma...
    E no entanto... no meio de tanta carência e amargura... tem momentos de felicidade... que sabem a horas de felicidade... e que valem por uma vida...
    Pode haver um carrilhão de nuvens lá fora... mas de quando em vez... ainda se espreita o céu...
    Um poema belíssimo, José Carlos, que capta tanto da essência humana... dos mal tratados pela vida... e que como diz o Manuel... nos vai ao osso!...
    Beijinho! Bom domingo!
    Ana

    ResponderExcluir
  6. O poema se oferece como avenida da excelência do poeta,
    que dança nos signos das palavras, a esvaziar os lugares
    ocupados do vazio que vem de dentro, a voz da Adriana
    Calcanhoto o conduz ao sentir tão pleno
    de si mesmo!...
    A excelente poesia tem esta força de cada um ler no
    seu próprio caminho, o sentido de dentro.
    Beijos, José Carlos.

    ResponderExcluir
  7. Entristece esse teu poema, meu amigo. Achamos já normal tantas carências, tanto sofrimento espalhado entre os velhos trapos; tanto som de agonia, tanta súplica... e para muitos nada se mexe. Será que ficamos imune à qualquer dor ou lamento? Acostumamos? Lindo teu poema, grande tua sensibilidade.

    a esponja não apaga:
    o filão de brancura
    o fardo dos olhos,
    a dor animal

    Beijo, meu amigo, um tranquilo domingo.

    ResponderExcluir
  8. Nada apaga aquilo que nos inquieta o olhar e o coração. Nenhum nome serve para dizer a vertigem que é a vida tão cheia e tão vazia de emoções...
    Um poema fantástico na sua densidade poética, que li e reli...
    Gostei muito.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Já tinha lido e relido, saí sem palavras para comentar.
    Tanta dor, tanta mágoa que me angustia ler.
    No entanto entre tanta dor um poema muito bom na sua nostalgia.
    Boa semana
    Abraço com beijo dentro
    :)

    ResponderExcluir
  10. Ah, a velha Salvador!!
    Que sonho!!!
    Quero por ir lá
    e de lá
    Ler esta tua poesia!!!

    abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  11. Boa noite José Carlos!
    Tão bonito seu poema meu amigo. Lindamente construído.
    O vídeo é maravilhoso. Simplesmente mágico esse arranjo musical.
    Continuação de boa semana!
    Um beijo e um sorriso!
    No final de semana deve ter atualização por lá.

    ResponderExcluir
  12. Passando a deixar um beijinho, e votos de um feliz fim de semana...
    Ana

    ResponderExcluir