quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Pela janela aberta



Se um peixe entrar em sua casa sem bater, não estranhe ou fique nervosa, é porque, pé ante pé, ele resvalou o corpo para fora da tarde e porque claramente cansou do lago artificial em que vivia enclausurado. Há sinais e testemunhos do licor evaporado do seu hálito quando ele passou pelo átrio da igreja, e o andar era um bálsamo para aquele espírito inquieto. Antes, ao passar pela porta, exclamou "que lugar maravilhoso", e sorveu um pouco de paz com os belos vitrais que se realçavam em ambas as laterais da igreja. Parou, pensou e concluiu que o ar era solene e a igreja (talvez) seria pequena para remoer as inquietações metafísicas que sacudiam a sua cabeça na deambulação vespertina. 

(José Carlos Sant Anna)

13 comentários:

  1. Um espírito inquieto, sim. Para ser ele próprio precisou de fazer essa "viagem", porque só um espaço aberto nos debruça para o espanto… Um texto com uma imagética metafórica que só o coração entende.
    Gostei muito, meu Amigo José Carlos.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Olá, professor!
    As metáforas estão ótimas, mas é assim mesmo, passamos a vida meio assim, escorregando, nos debatendo em cansaço físico, mental e emocional, mas por vezes damos a volta por cima, e recomeçamos a roda.
    Quanto à Igrejas, ou algum Templo...sabes que é o lugar ideal para ficar em paz? Eu já fiz isso! Nós e o silêncio absoluto, respeitoso, solene.
    Aquela recepção, com os tais vitrais concerta tudo, até a roda girar e voltar ao ponto. A vida vai ser sempre assim, meu amigo.
    Essa foi a maneira que interpretei teu ótimo poema. À minha maneira. (lembrando a canção de Sinatra, rs)
    Beijo, um bom feriadão, J.Carlos!

    ResponderExcluir
  3. De facto, têm ar solene e pretendem dar respostas a questões
    metafísicas, porém por mais altos que sejam os seus telhados,
    é na natureza, debaixo do alto céu, que encontramo-nos mais
    próximos das puras verdades.
    O concerto de Aranjuez é um diamante musical que muito admiro,
    pelo que foi a música que alegrou a ''festinha musical'' do
    meu aniversário.
    Hoje...
    divulgo um FILME ESPECIAL, coprodução luso-brasileira...
    Dias amenos e aprazíveis.
    Abraço cordial
    ~~~

    ResponderExcluir
  4. Caro José Carlos,

    o caso parece sério!
    peixe fora de água corre sérios riscos, como bem se sabe ...

    e remoer inquietações metafísicas à porta da igreja? será que o peixe vai saltar para a pia de água benta? Não lhe gabo a intenção ... rss

    antes o crepitoso "fevro" para espicaçar as inquietações!

    abra, meu amigo

    ResponderExcluir
  5. Fiquei bem pensativa depois de ler esse texto...

    ResponderExcluir
  6. Olá Poeta. Muito obrigada pela postagem mais linda que eu li nos últimos dias. Sou Mestra Da Universidade PUC. Suas Metáforas são perfeitas. Boa noite. Luuxa De Marillac Bessa Luna Michel

    ResponderExcluir
  7. Amigo José Carlos, admirador que sou de contos fantásticos como os de Edgar Allan Poe, Jorge Luis Borges, Guy de Maupassant e, em especial o grande Franz Kafka, não poderia deixar de admirar também esse teu excelente conto que, como deixei implícito, para mim está no gênero do conto fantástico.
    Parabéns.
    Grande abraço!
    Pedro

    ResponderExcluir
  8. O peixe chegou perto da beleza dos vitrais e da melodia ... "sorveu um pouco de paz", mas a inquietação persiste.

    Belo texto, amigo José Carlos!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. ¡Hola jose-Carlos!

    Tú si que te mueves en tus cuentos, como pez en el agua.

    El pez fuera? Pobre, sólo daría unos cuanto zarpazos y a la cacerola o frito en la sartén.

    Es un placer leerte.
    En mi blog baje unos pisos más abajo, y allí estabas tú, y me pregunte, como te había dejado tan lejos.

    Y es que ando un poco despistada y me pregunté por donde andará, decidí buscarte y saber de ti.
    Veo que todo va bien, con el mismo humor sano, cosa que adoro.

    Es un placer leerte.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  10. José Carlos,

    Tão belo o teu sentir poético, esta expressão
    sofisticada, excelente, que explode o sublime
    do que é humano na janela dos olhos!...
    Este teu bom gosto musical embalam as palavras
    nestes instantes essenciais.

    Muito grata por mais este momento na
    partilha aqui! Voltarei depois com calma para
    a tua postagem recente, viu?...

    Quero te agradecer o teu comentário tão belo,
    fiquei tão sensibilizada, querido amigo.
    Tenho orgulho do Nosso Nordeste, Viva o
    meu Pernambuco e Viva a tua Bahia!!

    Um beijo, meu querido amigo.

    ResponderExcluir
  11. E os peixes... têm essa capacidade única, ao contrário dos humanos... de ouvir... e saber calar... como não ficar em paz, na sua presença?...
    Maravilhoso texto... que estou apreciando, ao som desta peça musical fabulosa... fazendo-me sentir como um peixinho... no mar das Caraíbas... neste talentoso, mar de paz, e mil cores, como vitrais... ao sabor do ondular, da sua inspiração, José Carlos...
    Como sempre, uma pérola muito especial... para descobrir e apreciar, por aqui...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir