quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Lado B

Foto arquivo pessoal

No interior das quatro paredes, que chamo de biblioteca, eu conheço todos os meandros das suas prateleiras, estou familiarizado com cada um dos livros depositados em suas superfícies. Nem por isso deixo de me surpreender ao tirar um ou outro livro para uma sobremesa do espírito. É o que ocorreu agora com Lado B, de Sérgio Augusto. Comprado em 2002, quando saiu a segunda edição, portanto, lido, anotado e guardado. Agora relido no verão de 2019, meu primeiro impulso foi recomendá-lo à filha. Ela não deu muita importância ao que lhe disse. Com um ar blasé, folheou o livro e deixou-o sobre a minha mesa. Digo-lhe, então, caro leitor, do que se trata, caso você se interesse. São crônicas, publicadas nas revistas Bravo!, no dizer do próprio Sérgio Augusto, "séria, chique à beça, mensal e paulista"; Bundas!, "anárquica, escrachada, semanal e carioca". "Ambas foram criadas como alternativas à pasmaceira e ao culto à frivolidade da imprensa brasileira". Ambas são de saudosa memória, digo-lhe eu. Como se vê, não preciso nada mais dizer-lhes, salvo que são textos datados, porém, apesar da distância no tempo, vale apenas remoer suas páginas para que descubramos que, quase vinte depois, pouca coisa, no plano cultural e na imprensa brasileira, mudou neste país. 

(José Carlos Sant Anna)

4 comentários:

  1. Olá José Carlos!

    Vou passando, lendo e gostando.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Um tema completamente fora dos meus horizontes, no entanto,
    gostei bastante de o ler e de apreciar o texto.
    Beijinho, Amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  3. Não conhecendo o autor em questão... concordo com as suas palavras, José Carlos... às vezes no plano cultural... muda-se tudo... mas nem sempre a qualidade, acompanha a tendência... apenas a disposição, do que nos é dado a apreciar... numa aparente confusão... entre aparência e excelência...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir