segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Passadiço


                                    à comunidade de Brumadinho

A meio-pau.
Oscilante a bandeira,
o fundo não se oculta no ar que se dissipa
depois que nossos ossos foram drenados
e o relógio começou a dar suas batidas
ecoando no espaço vazio
as lembranças de uma época que não voltaria mais.
Restamos na mais funda medula da terra
e nos indícios tênues das ramagens em dispersão
e no silêncio que nos persegue a céu aberto
com os corpos a se desintegrarem.
Só posso dizer isso agora depois do rastro na terra.
Estivemos lá, sentimos na carne a hecatombe,
rabiscada pela sombra entre nós, contudo,
foi ela que nos abandonou
mas ainda voltaremos ao convívio das flores? 

(José Carlos Sant Anna)

5 comentários:

  1. Sentida homenagem, a sua, à comunidade de Brumadinho. Uma tragédia incompreensível nestes tempos em que tudo está tão facilitado. Mas há o desleixo, a incompetência e a ganância… Depois "Restamos na mais funda medula da terra e nos indícios tênues das ramagens em dispersão e no silêncio que nos persegue a céu aberto com os corpos a se desagregarem."
    Pode ser, meu Amigo José Carlos, que se volte "ao convívio das flores" quando as lágrimas limparem toda a lama do chão, do rio e do coração…
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Uma sentida e muito bela homenagem, perante uma tragédia... talvez já esperada... pois outra semelhante... ainda perdura na memória...
    Uma pena que a incúria, leve tantas vidas inocentes... esperemos... que responsabilidades sejam apuradas... e entretanto... ficamos a pensar, em quantas mais tragédias assim... poderão estar iminentes...
    Beijinho! Feliz semana!... Finalmente conseguindo passar por aqui... nestes dias atrapalhados... com a vigilância constante, do estado de saúde da minha mãe... melhorando... mas com medicação nova... que carece de se acompanhar os seus efeitos nas primeiras semanas... e para além disso... com o final do Google+... que me veio alterar alguns procedimentos, aqui no meu blog...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir
  3. O número de desaparecidos diminui lentamente e a lista dos mortos aumenta, muitos animais em putrefação na lama...
    A água inquinada tem um grande percurso até o mar e pelo caminho, irriga explorações agrícolas...
    São crimes humanos e um imenso crime ambiental.
    Grata por trazer o seu testemunho.
    Um dia, as flores voltarão, os que pereceram é que não.
    Abraço afetuoso, Amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  4. Que tragédia, heim José Carlos!? Tragédia misturada com crime. Tragédia anunciada, pois a barragem de Mariana já foi nos mesmos moldes. E há centenas ainda no mesmo estado... Tem de serem desativadas. Primeiro é a vida humana e nada mais. Algo inexplicável, amigo, a não ser a ganância e o desleixo dos que tinham o dever da fiscalização. E os outros de cobrarem...
    Muito bonita tua homenagem, sentida.
    Beijo, uma boa semana.

    ResponderExcluir
  5. Caro amigo

    que poderei dizer-te quando ferida ainda sangra?
    ambos sabemos onde residem a incúria e o crime

    tenhamos esperança de um dia lhe batermos à porta
    para acertar contas!

    forte abraço, meu amigo José Carlos

    ResponderExcluir