sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Inventário



até a última gota
cortejo a tua vergonha
com chamas inapagáveis
no branco da palavra
que não vem
como o olho de alguém
que não fala
como o sangue do ar respirado
no desvio perseguido
e na poeira dos nossos gritos
e na boca dos condenados
e no sol pagão do teu corpo sobre o meu 
gritado pelos caminhos sequiosos
que nos trouxeram até aqui. 

(José Carlos Sant Anna)

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Desatino


Outro dia, um coração confundido, com ligeireza nas sandálias para arrastar os pés, puxou o gatilho do revólver com rara habilidade, tudo por causa de uma imaginada traição, a corroer-lhe as entranhas, atitude que lhe rendeu, mais tarde, como se não houvesse um corpo estendido no chão, gargalhadas sonoras e divertidas, sobre a lisa florescência da calçada. Não tinha mulher no meio, como se possa imaginar. Tinha grana. Muita grana. A ser repartida ao meio. Coisa que não saía do miolo da sua cabeça, acabando num choro compulsivo e gritado pelas ruas sem saber o caminho a seguir. A cabeça girava, enquanto o revólver na loucura da espessura do dedo no gatilho mantinha a língua acesa.

(José Carlos Sant Anna)