sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Inventário



até a última gota
cortejo a tua vergonha
com chamas inapagáveis
no branco da palavra
que não vem
como o olho de alguém
que não fala
como o sangue do ar respirado
no desvio perseguido
e na poeira dos nossos gritos
e na boca dos condenados
e no sol pagão do teu corpo sobre o meu 
gritado pelos caminhos sequiosos
que nos trouxeram até aqui. 

(José Carlos Sant Anna)

8 comentários:

  1. Que lindo esse poema, José Carlos, sensível e profundo e que em algum momento de nossas vidas se fez presente. Essa sua verve poética descreveu com exatidão as emoções que fazem parte das nossas vidas.
    Show de vídeo, também.
    Aplausos, querido amigo. Um ótimo fim de semana.
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. E o branco da palavra ignora tantas vezes o lume perturbante onde ardem os sonhos. E gota a gota fazemos o inventário da sede…
    Tão belo, meu Amigo José Carlos!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Assim nos percebemos página branca, palavra perseguida, sede e fonte.
    E nesta ardência se desdobra um puríssimo poema.

    Um beijo, meu amigo José Carlos.

    ResponderExcluir
  4. que posso eu acrescentar, caro José Carlos?

    as três distintas e talentosas escritoras, (e amigas comuns) cada uma em seu estilo, realçaram o que, do teu poema, dá testemunho da tua dimensão de poeta e do teu sensível e apaixonado engajamento com a Vida!

    por mim, apenas registo o prazer enorme que a leitura deste "mosaico" de textos, inteligentes e profundos, me proporciona, e o momento raro de confluência e encontro de tão "beaux esprits" .

    abraço, meu caro Poeta
    parabéns.

    ResponderExcluir
  5. sensibilidade e uma nuance de erotismo q.b.
    tão belo ...
    beijo
    :)

    ResponderExcluir
  6. Um belíssimo poema, José Carlos. “Inventário” é um canto à amada. Num rol de sentimentos há uma esperança: o sol poderá aquecer os corpos dos amantes.
    Neste poema fica à mostra o talento talento de José Carlos Sant’Anna. Parabéns!
    Deixo aqui o meu abraço ao amigo.
    Pedro

    ResponderExcluir
  7. E que bem inventariado!

    Abraço, amigo José Carlos!

    ResponderExcluir
  8. Um poema que nos arrebata, neste inventário de paixão!...
    Parabéns, pela belíssima inspiração, José Carlos!
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir