sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Estudo para flauta e violão III


é preciso dizer: uma coisa clara crescia em silêncio. nada lembrava no tabuleiro de xadrez à mesa alguém que se repetisse. nos passos apressados, no rosto pensativo, nos gestos, nas palavras, nos olhos altivos, no leve amanhã, ao chamá-lo peregrino como se ainda não soubesse o seu nome ou não conhecesse o leve rumor das avencas com o vento ou fosse incapaz de cuidados pequeninos, se, em algum momento, o peregrino tivesse algum anseio. Até mesmo ao oferecer-lhe beijos pelos caminhos, bem longe de qualquer tempo, roçando-lhe a pele num apelo de braços e corpos suados, mesmo depois de ter ouvido que seria perigoso aproximar-se de um peregrino, ela teve algum medo. Agora que ele está em suas mãos, ela hesita! E pergunta, "com que olhos me fitastes"? 

(José Carlos Sant Anna)

11 comentários:

  1. El video muy bonito y el texto adecuado para este dia del amor. Saludos amigo. Un placer leerte.

    ResponderExcluir
  2. "Como si no supiera su nombre"... me ha encantado el reflejo de este encuentro lleno de carne y alma. Preciosa pieza de música, amigo.

    Mil besitos para ti y feliz día.

    ResponderExcluir
  3. Uma prosa arejada, a tentar abordar novas veredas, sem medo de levantar pó.

    José Carlos, um abraço

    ResponderExcluir

  4. "Com que olhos você olhou para mim?
    Devemos olhar várias vezes antes de tirar conclusões ... Podemos ter visões diferentes, dependendo do momento ou da situação.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Um nome. Um olhar. Aqui nada foge às vertentes inquietas da linguagem da emoção. Magnífico, meu Amigo José Carlos! Rendida ao seu modo de escrever.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Acho que já nem o olhar fala.
    No momento...já está tudo embaciado.
    Gosto de ler depressa, depois volto mais devagar.

    peregrina da palavra ...

    boa semana!

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  7. "peregrino" por tuas palavras, deixo que elas evoluam em sua dança, bailarinas que são e esquivas e, depois, quando as julgo "domesticadas", de novo se recusam e, então, conforto-me a mim próprio e digo para os meus botões: "mais que a caça e o disparo, o prazer de caçar..."

    saúdo-te e tiro o meu chapéu, meu caro José Carlos
    grande abraço

    ResponderExcluir
  8. A emoção muitas vezes faz com que o 'peregrino' seja 'incapaz de cuidados pequeninos'.
    São as 'dobras do destino' rs
    beijo

    ResponderExcluir
  9. E ele ao fitá-la... será que a viu?...
    Um encontro... onde o ponto fulcral... acontece na última linha... que será onde a verdadeira história começa!...
    Uma subversão deliciosa, por aqui... em mais um estudo... praticamente elevado à condição de Ensaio sobre... em versão condensada!...
    Como sempre, admirável, o poder e alcance da sua escrita, José Carlos... que sempre envereda, por caminhos surpreendentes...
    Beijinho! Feliz fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  10. Vim à sua procura...
    Não reparei nesta postagem, tenho andado com a minha atividade no PC reduzida devido a uma conjuntivite...
    Não vale abandonar doentinhas...

    Afinal, um pequeno conto, este do peregrino...
    A sedução resulta de pequenos avanços e recuos. Srrssssss...
    ´
    Gostei muito da música.
    Tenho música brasileira no meu 'blog'... Não sendo minha... ousei.

    Abraço, José Carlos.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  11. Peregrino del alma, qué sintió al reflejo de sus ojos?.. se siente tanto en un mirar,.. y como dice el reflan, sobran las palabras cuando nos vemos reflejados en la otra parte del alma, siendo una, en dos.
    Grande tu prosa poética amigo.
    Abrazos para tu noche.

    ResponderExcluir