domingo, 29 de março de 2020

I. Ciscos




:)
Solta a lágrima
move-se o cisco
no fundo do olho

:)
Há um cisco sombrio
a soluçar baixinho
dentro de mim!

:)
Irônico destino:
o desencanto deixou
um cisco de olhar vazio 

(José Carlos Sant Anna)


domingo, 22 de março de 2020

Bilhete


As cores se guardaram
quando eu quis uma única flor

Agora meus olhos adolescentes
cegos de tantos sonhos
aguardam notícias do vento. 

(José Carlos Sant Anna)

quinta-feira, 12 de março de 2020

Acasos II


“Qualquer coisa, ligue”. Martelavam as três palavras e a pausa na sua cabeça como se fosse um jogo mais difícil que ler os poemas de João Cabral de Melo Neto. Apagara os vestígios de duas furtivas lágrimas quando notou os olhares transversais e gulosos do garçom a querer adivinhar-lhe os segredos, mesmo sabendo que ela não era uma mulher para o seu bico. E como sabê-lo, se não tentasse, disse o garçom para os seus botões. E ela pedira depressa a conta do cafezinho. Um, dois, três e já. E se levantou rapidamente. Enquanto caminhava devagar pela larga avenida da cidade observando as vitrines, dizia para si mesma “Não há nada mais que eu possa fazer por ele, pobre homem, que me pareceu muito desolado, quando eu lhe disse 'adeus'”. “Ele não entendeu nada, fora um encontro casual, duas semanas intensas, vorazes, fogosas, ele gostou e queria mais, queria ser o meu dono, mas eu nunca lhe dissera que estava disponível para quaisquer outras coisas, além das que fizemos. Fomos a cinema, restaurantes, teatros, e uma curta viagem em um final de semana”. “Compreendera, no entanto, que ele era um animal arisco, capaz de resistir, como o fizera na cama ao deixá-lo sem fôlego", dizia ainda para si mesma, enquanto caminhava por dentro de uma galeria repleta de miudezas importadas. Maquinalmente entoava a música Tatuagem, (Quero ficar no seu corpo/feito tatuagem/que pra é seguir viagem/quando a noite vem) de Chico Buarque de Holanda. E, passo a passo, seguia fascinada como todos os passantes. Entrava por uma quadra e saía pela outra pensando até quando o estar só seria ter uma vida dolorosa, como ele lhe dissera na hora da despedida. Apesar das dúvidas, ela ainda preferia passar as noites ao redor do lago em sua belíssima casa do que perder a sua liberdade. 

(José Carlos Sant Anna)

sexta-feira, 6 de março de 2020

Acasos I

       chuva BetinaCarcuchinski/ cidade do Porto

Na angústia do dia chuvoso
na cidade do Porto
bom teria sido se ela fosse um pássaro
sem compromisso com a hora do voo.

(José Carlos Sant Anna)

segunda-feira, 2 de março de 2020

Por muito pouco



a esmo, 
num outeiro, 
ele cavou vagarosamente 
um buraco bem fundo, 
de feitio perfeito, 
em busca de uma dissimulada flor branca, 
enraizada por mãos secas, 
porém hábeis. 

depois 
dissimuladamente 
pensou quanto renderia, 
se achada, 
aquela flor em sua peregrinação, 
e quão serena é essa gente 
que cava em topo de monte um buraco, 
de feitio perfeito, já se disse, 
para corrigir a falha de um olho, 
drenando partículas, 
sem que o céu tenazmente 
pudesse vê-las orladas de nuvens, 
que se estendessem por debaixo do sol. 

depois girou a cabeça 
insensivelmente 
revelando intimidade maior com a dor, 
e o tronco abatido mas altivo, 
rua de mão única, 
manto de cal, 
adernou sobre as mãos crispadas, 
gelatinosas, 
testamento por fazer, 
sem que desabasse inteiramente. 

desde a eternidade 
essa gente 
vive à sombra, 
entre o clarão do outeiro e um bando de gentios, 
numa adoração 
que não é de anjo, e sim de papa defuntos. 

(José Carlos Sant Anna)