terça-feira, 16 de junho de 2020

Lição de vida



O jumento empacou numa subida íngreme quando passava pela porta de D. Milu. Quando o pai viu a cena, nervoso, gritou pela cerca que atravessava o quintal da vizinha para que o menino o chicoteasse. Aí quem empacou foi a criança. O jumento carregava quatro barricas de água no lombo, com ele na canga, e o pai lhe pedia para chicoteá-lo. Ele não entendeu. E também não obedeceu. 
Eram dois animais empacados. O menino que não sabia como descer do lombo do bicho e abandoná-lo ali mesmo. E o jumento. Ele foi posto na canga pelo pai, logo só poderia descer tirado pelo próprio pai ou por outra pessoa. Era esperar e aguentar no seu lombo o que viria de castigo por não saber puxar o animal. O pai achava que o menino tinha de saber levar o jumento como se fosse da roça. E o menino era da cidade.
Nos olhos do menino o medo. Ele sabia que o pai se fazia respeitar pelo chicote, usando-o por qualquer deslize do filho ou do animal, o que nunca lhe saiu da memória, embora, naquele momento, colocar o burro para subir o barranco em tais circunstâncias era qualquer coisa além da sua compreensão de criança. 
Pior é que o menino só estava no lombo do animal para deixar a mãe livre para a visita do pai. Assim, ocupado com sua mãe, o pai iria demorar. Só muito tempo depois ele veio tirar o menino de cima do bicho e, depois, fazê-lo subir o barranco. Dali mesmo o menino voltou para casa, o pai seguiu seu destino com o jumento.
E muito mais tarde, o menino aprenderia que “jumento não sobe escada”*.  
(José Carlos Sant Anna)

* Adaptação da frase "ademã que vou em frente, cavalo não sobe escada", de Ibrahim Sued, colunista social, do jornal O Globo.

20 comentários:

  1. Um relato a pedir uma silenciosa reflexão.
    .
    Tenha uma terça-feira muito feliz
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  2. Muy buen relato con su moraleja adjunta. Y es que debemos reconocer la propia realidad. Mi enhorabuena, JOsé Carlos.

    Mil besitos y buen día.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite amigo Jose´Carlos,

    Eu fico empacada igual o menino e o jumento com essas cenas violentas, ainda hoje aqui na cidade fico irada com essas carroças de burro e fela da gaita chicoteando o pobre animal.

    Um braço de paz, deixo!


    ResponderExcluir
  4. HOLA, ME GUSTÓ TU BLOG, TE SIGO Y TE CUENTO QUE ESTOY INAUGURANDO UN BLOG DE FRASES BELLAS, TE ESPERO, SALUDOS.

    ResponderExcluir
  5. Mi padre siempre decía que prefería ser burro que caballo, porque el burro puede llegar a convertirse en listo. No sé si la traducción al portugués permitirá entender esto. Si no, te lo explico. ;)

    Del relato me quedan el gusto por leerte (siempre) y varias reflexiones: Que el padre demore con la visita de la madre es prometedor, para ciertas cosas es mejor darse el tiempo necesario (risos). Que el miedo a lo que creemos que puede pasar, que no es más que una ilusión (temor al castigo, en este caso), nos paraliza a veces de manera innecesaria y absurda. Y que los padres/madres son una referencia a veces demasiado fuerte y nos llena de una autoexigencia también absurda e innecesaria.

    Es sólo mi lectura, ya sabes. Y los mundos que en mí abre tu texto, bellamente escrito (también como siempre).

    Beijos, muitos

    ResponderExcluir
  6. Reflexivo y lindo leerte amigo, saludos a la distancia.

    ResponderExcluir
  7. Parece cena de filme.
    Quase que se vê o olhar aflito do menino, o burro(sabido) empacado.
    E o pai que planeou tudo para "perder" o tempo necessário com a mãe.
    Achei delicioso o texto.
    Continuação de boa semana com muita saúde e boa disposição.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  8. Por algo dicen que los burros son muy tozudos...
    (tanto o más que los dueños)
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  9. Excelente amigo, adoré la lectura, aunque tuve que leerla varias veces...
    Saludos y un abrazo grande.

    ResponderExcluir
  10. burro quando empanca é assim mesmo ...
    nem a cenoura à frente dos olhos o faz mover!

    mas como menino de cidade pode saber?
    que pelo menos que aprenda a lição e fique sabendo
    que burro carregado se nega a mais carga...

    excelente "parábola" (?)

    abraço, caro José Carlos

    ResponderExcluir
  11. Empancar é fácil. Sair do problema nem sempre está ao nosso alcance, mas que fique a lição para não nos metermos em embrulhadas.

    Grande imaginação, meu amigo José Carlos!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  12. rsss, gostei de ler essa história, mas que o burro empaca é conhecido! Quando não quer, não anda. Pobre menino...
    Como lembro da frase "ademã que vou em frente, cavalo não sobe escada", de Ibrahim Sued.
    O vídeo, José Carlos, é uma jóia, o nosso grande Yamandu Costa, de Passo Fundo, coisa nossa. E o tango... maravilhoso!
    Uma ótima semana!
    beijo.

    ResponderExcluir
  13. Cuentas la historia como un testigo, pero un testigo comprometido con lo que siente el niño. ¿Cómo sería contada desde la mirada del padre? Seguramente sería muy distinta y con consecuencias muy diferentes.

    Muy interesante el relato. Me ha generado muchas reflexiones diferentes. Es un placer leerte

    Muitos beijos

    ResponderExcluir
  14. Fazer andar um jumento carregado já é difícil, quanto mais fazê-lo subir... Isto pode ajustar-se a certas pessoas que trazem nas suas costas o peso de revoltas e de feridas da vida. Só as crianças têm a capacidade para entenderem aquilo que a sua inocência lhes permite...
    Um grande beijo meu Amigo José Carlos.

    ResponderExcluir
  15. Entre nós, é célebre o fenómeno da 'mula empancada', quando não há pancada nem nada que a faça andar... Conheço a cena de filmes...
    Parece que vós designais por jumento os animais híbridos a que chamamos mulas; para nós jumento é o mesmo que jerico, burro ou asno...
    Também não conhecemos o conjunto de 'neologismos' de Sued...
    Tive que informar-me para entender melhor...

    Fere por de mais a minha sensibilidade o abuso doa chamados 'animais de carga'... Fico sempre com a sensação que quem o conduz não sobe, nem nunca subirá escada... De todo...

    O tango cínico de Gardel é demasiado machista!
    Um texto interessante e instigante...

    Dias de muita paz e grande criatividade.
    Abraço, estimado amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  16. Gostei bastante desta versão do Tango de Carlos Gardel, embora prefira o original. Talvez por o ouvir há já muitos anos. :)

    O texto desenvolvido a partir da frase citada, uma delícia.
    Gostei muito da maneira clara e límpida como é escrita e descrita.

    Só a inocência de uma criança para entender e fincar pé, qual jumento, pugnando pelo direito de usar sem abusar do poder mandar e desmandar desumanamente em animais e pessoas.

    Uma bela lição de vida a que aqui li. Adorei!
    Grata por isso.

    Um abraço e bom fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde tudo bem? Sou brasileiro, carioca e procuro novos seguidores para o meu blog. Novos amigos também são bem vindos, não importa a distância.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde obrigado pelo seu comentário. Aproveitei e comecei a seguir o seu. Gostaria de ter o privilégio de você me seguir também.

    ResponderExcluir
  19. Fiquei pensando no ditado popular... ultimamente tenho visto alguns jumentos serem eleitos até para altos cargos... mas de facto, os simpáticos bichinhos de 4 patas, terão algumas compreensíveis limitações... gostando de mostrar a sua personalidade... empancando, por vezes... já os de 2 patas... como acéfalos, que costumam ser, sobretudo quando ocupam cargos políticos... nem simpatia... nem empatia... costumam ter, nem demonstrar...
    O texto... absolutamente delicioso... que me fez divagar... sobre outros animais... com suas manhas e espertezas... :-)
    Adorei igualmente o tema musical, com esta versão instrumental de um tema bem conhecido... e sempre intemporal...
    Beijinhos! Votos de um excelente domingo, José Carlos, estimando que tudo esteja o melhor possível, por aí!...
    Ana

    ResponderExcluir
  20. A vida tem estado bem'empacada'por aqui,JC
    _e o conto me faz pensar que essa máxima ultimamente, não vem sendo comprovada _os 'jumentos' estão todos subindo escadas ...
    rs e vale a pena esperar para vê-los despencar...
    deixando meu abraço

    ResponderExcluir