segunda-feira, 29 de junho de 2020

Pra quê?


 Por favor, na paz do meu trote e na sede de ar puro, deixe-me passar, pois, só pra contrariar, vou quebrar regras e rotinas da pandemia pelo gosto do sol, e de ver-te e de pintar um grafite barroco no muro da esquina.
 E eu com isso?
 Sei lá... Deixe-me passar, é o que me basta!
 E depois?... O que farás?
 Como eu sei que é o tempo que voa, eu não tenho pressa até porque o sol já terá inundado meu dia, então, vou devagar com a água feliz do meu corpo ao covil da minha felina. Ansiosa, eu sei, ela estará me espiando da janela com o seu vestido vermelho, pequeno detalhe que me deixa em parafuso e, inteira na intimidade, o infinito principia em sua toca, depois que eu chego. 

(José Carlos Sant Anna)

18 comentários:

  1. Boa tarde:- Puro fascínio poético que gostei muito.
    .
    Uma Santa tarde
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Por aqui, com batucada ou sem ela,
    também fico na janela,
    saio sempre com um sorriso,
    achando esta parceria tão bela!...

    Gostei de relembrar «Januária» e parabenizo o escritor/poeta que tão criativo texto nos oferece, casando bem com a letra da canção.

    Com um abraço, desejo uma boa semana, José Carlos.

    ResponderExcluir
  3. Meu caro J.C. Sant Anna,
    Que belo momento de inspiração sutil e criativa.
    Um abraço e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  4. Passe, passe (risos). No sé si se escribe así.

    Me encuentro con un texto que me resulta bello y provocador, ya en una primera lectura. Pasado por el traductor, aumenta la sensualidad de tu diálogo, o tu promesa, o tu deseo... no sé bien cómo definirlo. Cierto que tengo sospechas de que el traductor no ha sido muy leal a lo que escribiste, me sorprende algunos términos en español que no te imagino usando en tus textos, pero me da una idea. Y me gusta, mucho.

    Beijos, muitos

    ResponderExcluir
  5. Rompiendo reglas y rutinas pandemicas por amor, eso si que es bueno. Saludos amigo.

    ResponderExcluir
  6. Pelo gosto do sol. Pelo vestido dela que é vermelho. Pela luz. Pelo mar. Pelo sorriso. É preciso que a liberdade tome conta da gente. É preciso que a gente segure a vida com força...
    Excelente, a música e o seu texto!
    Que tenha uma boa semana meu Amigo José Carlos.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Em tempo de pandemia sabe bem um banho de sol e o infinito a abrir-se no covil.

    A pintura do cenário é admirável, caro amigo José Carlos.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. O vestido novo

    O vento asfixia os plátanos da praça,
    e a cortina oscila subtilmente,
    sobre a alvorada que desponta,
    com odor a terra molhada.

    Visto-me tranquilamente,
    na penumbra do quarto,
    e um frio sulca-me a pele,
    que se contrai desprotegida.

    Saio para a rebeldia do dia,
    com os olhos transbordantes,
    de luz e serenidade,
    silenciosa com passos meninos.

    Percorro os meus dedos na fímbria do vestido vermelho (novo)
    que nem reparaste,
    na urgência da saudade.
    .
    ©Piedade Araújo Sol

    ResponderExcluir
  9. Esta pandemia nos tiene atados de pies y manos... y dime, ¿cómo se ata el deseo o la pasión? Precioso leerte, José Carlos.

    Mil besitos con cariño para ti.

    ResponderExcluir
  10. "...o infinito principia em sua toca...", que forma maravilhosa de perspectivar o encontro.
    Continuas em grande forma, José Carlos.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  11. o que importa é "nunca ficar cercado"!...
    e a rebeldia dos grafites, numa qualquer esquina
    e um toca engalanada...

    gostei muito, Poeta.
    grande abraço

    ResponderExcluir
  12. esta super tierno, me gusto mucho, abrazos

    ResponderExcluir
  13. Meu amigo, mas que essa pandemia rendeu um belo texto não tenho dúvidas! Gostei da criação e do cenário; da janela, do vestido vermelho...
    Gostei muito!
    Beijo, um bom fim de semana!
    (deixei resposta no comentário)

    ResponderExcluir
  14. ravo, caro José Carlos Sant’Anna!

    Um belo conto, uma grande narrativa que não precisava de mais linhas, disse tudo num fôlego só, forma e conteúdo, conto burilado.

    Um bom final de semana, José Carlos.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  15. Hola pasaba saludar!!!!
    Te cuento que abrí un blog de haikùs y voy a dejar los otros puesto que no me da el tiempo para todos.
    Espero verlos allì, un beso enorme y un abrazo.
    PD: ESTE ES MI ÚLTIMO Y ÚNICO BLOG DE AQUÌ EN MÁS. TE SIGO CON ESTE NUEVO PERFIL.

    ResponderExcluir
  16. O infinito _ até que dure Jcarlos
    :))

    ResponderExcluir
  17. Ao infinito... e mais além!... :-))
    E a prova, de que há mais vida... para além de qualquer pandemia... encontra-se neste pedacinho de prosa deliciosa!...
    Adorei tudo... também a escolha musical... em jeito de prazeirosa cumplicidade...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderExcluir