sábado, 25 de julho de 2020

Peregrina



Antes
que julho recuse roteiros
cansados ou se finde na parede
ondula no ar um vozerio
enfatuado a distrair o tédio
e o esquecimento

e os dias em agravo pungente
a mendigar um silêncio luminoso
das cinzas do tempo
esquecem os frutos deteriorados
nas miragens do amanhã

e com o tempo se esgotando
a crueza das tuas sombras
nos caminhos crestada
ao sol implacável de obscuros gestos
sem trair ou subtrair-se

pergunta-nos a cada giro do espelho:
que idade tem a toxina
ao saber que, 
incansável,
ela chegou donzela e neurótica
querendo acariciar a todos
nós!

(José Carlos Sant Anna)

18 comentários:

  1. Esxcelente!!!!
    Muy buen post,

    Besos al alma

    ResponderExcluir
  2. danadinha para a farra
    e por fama ...
    a toxina neurótica
    e donzela
    e sem vergonha (acrescento de minha lavra)
    que nos põe a todos com a cabeça à roda.

    grande abraço, Poeta
    estás em grande forma, caro amigo José Carlos

    ResponderExcluir
  3. Um Chorinho musical que as palavras acompanham, ritmadas e na mesma sintonia, envolvem o leitor num doce êxtase.

    Gostei muito desta Peregrina(ção)

    Beijinhos Poeta José Carlos, e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Sin duda somos el peregrino de nuestro propio tiempo, el espejo es realidad devuelta dejando ese suspiro atronador.

    Un placer leerte, José Carlos.

    Mil besitos con cariño y feliz finde.

    ResponderExcluir
  5. Elogio o bom gosto musical
    .
    Um Sábado feliz

    ResponderExcluir
  6. Dizem que a esperança é um deus que não separa o tempo em dias e meses_ e ,muitas vezes é bom parar e pensar _o que mais nos aproxima de Deus a voz ou o silêncio? sendo assim continuemos lendo poesia nesses tempos de solidão, até que os próximos dias se desenhem.
    Tua prosa é uma das minhas motivações,jCarlos. Vida longa pra ela.

    ResponderExcluir
  7. Tras leer el poema quedé con la sensación de que no está siendo un buen mes de julio. En una segunda lectura, con la música que propones de fondo... no sé cómo explicarte qué sentí, sólo te diré que lloré. (Por cierto, es una de mis canciones favoritas).

    Beijos, muitos

    ResponderExcluir
  8. Chegava chegava
    nunca mais acabava de chegar
    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Un Julio de silencios con toxinas.... Saludos amigo-

    ResponderExcluir
  10. Neste tempo que irremediavelmente passa somos filhos pródigos num vórtice enganador. Mendigamos um silêncio luminoso enquanto os dias se vão esgotando na crueza das sombras... Tão belo, o poema!
    Uma boa semana com muita saúde, meu Amigo José Carlos.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Não perdi nenhuma nota deste precioso tempo musical nem dos últimos suspiros de Julho atacados por abraços de toxina vampiresca.
    Que das cinzas renasça a luz!

    Um excelente poema "em dias em agravo pungente".

    Beijos, caro amigo José Carlos.

    ResponderExcluir
  12. Nossa, que 'POEMAÇO' meu amigo!! Sinto ele tão nosso, tão por dentro de tudo, por dentro de nossas emoções diárias e sem dar uma trégua, uma esperança mais próxima a todos nós. De vez em quando se aproxima com uma boa esperança, mas não dura muito, chegam notícias de todos os cantos para não sermos bobos e não sonharmos antes da hora. Que triste, não José Carlos? Quando pensamos que algum dia receberíamos a visita de uma donzela neurótica!
    Gostei muito, mas mexe com nossos brios!
    Um beijo, cuide-se muito, talvez uma pequenina luz lá por novembro.
    Até mais!

    "e com o tempo se esgotando
    a crueza das tuas sombras
    nos caminhos crestada
    ao sol implacável de obscuros gestos
    sem trair ou subtrair-se"

    ResponderExcluir
  13. ¿Buenos dias, qué tal? Soy brasileño, de Río de Janeiro y busco nuevos seguidores para mi blog. Y seguiré el tuyo con mucho gusto. Los nuevos amigos también son bienvenidos, sin importar la distancia.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  14. Excelente composição, Poeta amigo.
    Os meus aplausos.
    Também gostei do pertinente acompanhamento musical.
    Continue driblando a donzela neurótica...
    Beijos
    ~~~

    ResponderExcluir
  15. JCarlos

    gostei desta peregrina que em jeito de poema nos faz pensar neste tempo doloroso e estranho que atravessamos.

    música criatva.

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  16. E eis que, entre solavancos e loopings de arrepiar, as palavras saem a preceito, como que prontas para enfrentar qualquer situação.
    A propósito: há carícias pouco desejáveis, meu caro. :)

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  17. Eita, donzela mais inconveniente! Mas só mesmo o nosso bom senso... para continuar a dar um chega pra lá nela... e nos seus avanços...
    Temos os conhecimentos, a noção... e a vontade, de que ela não leve a melhor... enquanto assim for... mantemos alguma vantagem...
    Formidável inspiração, que tão poéticamente retratou estes estranhos tempos, que atravessamos...
    Continuemos a salvo... da donzela... e dum Sputnik... que não soa a cavaleiro andante... para nos salvar das amarguras...
    Adorável a interpretação do tema musical!
    Deixo um beijinho e votos de continuação de uma excelente semana, e um óptimo Agosto... mas com esperança... muitas vacinas já estão na calha... e temos de começar a interiorizar... que teremos de apanhar uma vacina anual como para a habitual gripe, para mantermos esta bicheza... mais uma (e se calhar inventada)... de nós afastada...
    Prossigamos um dia de cada vez... com saúde e tranquilidade, nesta longa maratona de incertezas, que 2020 nos proporcionou a todos... e aproveitando bem, um dia de cada vez...
    Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
  18. Delicioso de se ler e não fosse a toxina eu bebia-o. Beijinhos amigo

    ResponderExcluir