terça-feira, 10 de novembro de 2020

Ilha interior


O mundo visto à sombra das horas desertas não era sequer o imaginado nos olhos adolescentes como se ainda voássemos, tímidos pássaros que éramos, no lombo de burros. Grave alegria em nossa ilha interior. A todo instante chegam postais, dando-nos conta do passado como se nos quisessem dizer: é em vós que o mundo sempre existiu. Porque os postais contam, sem os naufrágios, as histórias dos nossos primeiros passos. E o marulhar das lembranças nos diz tanto de madrugadas nunca esquecidas na escalada das almejadas culminâncias a embriagar-nos, que já não sabemos o que tem atravessado o gargalo das noites de caminhos infinitos. 


(José Carlos Sant Anna) 

9 comentários:

  1. Un placer leerte de nuevo, José Carlos. Muy bonito sentimiento.

    Mil besitos y feliz día.

    ResponderExcluir
  2. Musico de esplendor que amei ouvir
    Texto poético fascinante.
    .
    Cumprimentos poéticos

    ResponderExcluir
  3. JCarlos
    as memórias a ferro e fogo que nos ficaram gravadas, de um outro tempo.
    sensibilidade e poesia pura.
    adorei a música que nao conhecia.
    Beijinhos
    Obrigada pela visita
    :)

    ResponderExcluir
  4. Un placer leerte amigo, bello tu sentir poético. Saludos

    ResponderExcluir
  5. Uma linguagem pessoal para recordar. Para que as madrugadas sejam um pressentimento feliz no infinito das horas. Tão bom ler o que escreve meu Amigo José Carlos.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. inebriante destilação de "madrugadas" e "culminâncias"

    pura embriaguez.
    poesia da mais genuína,
    a atravessar "o gargalo... dos caminhos infinitos"

    grande abraço, Poeta
    e caro amigo


    ResponderExcluir
  7. Olá, José Carlos, pois é, carregaremos o passado para onde quer que vamos, parece que nossas vidas, lá atrás, experimentaram o melhor, e o mais puro, muitas vezes nos parece ter sido o período mais importante. Será? Se não foi, o passado sempre foi aquele período mágico, onde começamos a nos deslumbrar com o mundo romântico, poético e deslumbrante, um mundo de transformações, tudo era novo, tudo nos elevava aos céus. Enfim, o nosso descobrimento.
    Belo texto poético, meu amigo, tem a sua marca.
    Beijo, uma boa semana, e cuide-se.

    ResponderExcluir
  8. Postais!... A prova de que o tempo... passou por nós! Se perguntarmos sobre os mesmos, às gerações mais novas... não lhes acham sentido, com toda a parafernália de tecnologia... que evita até palavras... com os emojis e com a escrita simplificada... que perdura... depois aflitivamente, para outros estágios posteriores de sua vida...
    E os postais, são também a prova, de que antes, todos nos expressávamos com mais cuidado, e atenção para com os outros... hoje em dia... perdeu-se o encanto... da expectativa de uma carta ou postal pelo qual se aguardava...
    Hoje em dia, muitas ilhas interiores... estão metendo imensa água... fazendo de nós náufragos de tanta desinformação, ou informação pouco aprofundada... com as tecnologias se virando, nem sempre a nosso favor...
    Adorei esta belíssima prosa, que de alguma forma me transportou para o tempo dos postais... em que tudo se processava a outros ritmo... e com outro encanto!...
    Um beijinho!
    Ana

    ResponderExcluir