segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Orvalho no olhar


 

Aquele corpo, bem de frente, me olha

tão próximo, cristal de pormenores,

e exala em cristalinas veias o lábio 

a arder em ânsias e fogo e fausto

e vastidão ao descobrir o lugar

em ebulição, novelo desvelado,

aurora do templo único levitado

e sobre a lenha o lume alimentado

no laço do desejo onde o amor

se reinventa e sorve o ardor da sede

ao sabor do sumo que me alaga.

 

(José Carlos Sant Anna)

10 comentários:

  1. Reinventar o amor. Sorver o fogo. Acender a sede. Até que a fonte escorra do olhar... Um poema tão belo, meu Amigo José Carlos!
    Cuide-se bem.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Rocío de amor, sensual y bello poema amigo, saludos.

    ResponderExcluir
  3. Um belo poema para acompanhar os acordes de uma guitarra.
    Reinventar o amor... mas não seja musicalmente.
    Um abraço e cuide-se!

    ResponderExcluir
  4. A líbido dos cavalheiros continua sendo para mim um grande mistério...
    Neste seu poema, sobressai o fino engenho da composição.

    Venho do Refúgio dos Poetas retribuir os cumprimentos que me deixou na publicação transata, altura em me deu a honra de ler os meus poemas.

    Dias amenos, apesar de tantos sobressaltos...
    Beijos, amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  5. ... "e o cristal dos pormenores" a tilintar
    e a sorver "o ardor da sede!...

    na realidade - dizem-me! - Deus (e o Diabo rss) mora nos pormenores.

    excelente, distinto Poeta!
    chapeau!

    grande abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  6. JCarlos

    um poema cheio de desejo, amor e sensual que baste.
    muito bom, mesmo.
    bom fim de semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  7. Ardiente instante de deseos y pasión donde se reinventa el amor!! Preciosas letras. Beso

    ResponderExcluir
  8. Belo poema, meu amigo! Lindo e Sensual, o amor deve ser reinventado, como tudo na vida. É criação.
    O vídeo é maravilhoso, que violão!!! MARCO PEREIRA em ''Chega de Saudade', belíssimo.
    Beijo, um bom domingo e cuide-se, José Carlos.

    ResponderExcluir
  9. Magistral olhar poético, José Carlos!... Em onze linhas!... Uma profundidade e ardência absolutamente admiráveis!...
    Para ler... e reler... este pedacinho de excelência pura!
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderExcluir