quinta-feira, 25 de março de 2021

Assistindo o Sítio do Pica Pau Amarelo e pensando




O TEXTO QUE SEGUE ABAIXO É DA MINHA FILHA, CAROLINE VIEIRA SANT ANNA, JORNALISTA, DOUTORANDA EM BELAS ARTES PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

 

Acordei em 1978.

O canal Viva reprisa a série infantil Sítio do Pica Pau Amarelo. A original.

Quem tem mais de 40 anos viu.

É impressionante como as crianças acompanhavam aquelas histórias.

Na hora que liguei a TV, o que estava passando era justamente o episódio do Minotauro. Como eu tinha medo! Teleteatro puro. Muito sensacional. O vocabulário, o texto subliminar. Continuo impressionada com a qualidade do que era exibido na TV naquele tempo.

Coincidentemente, na hora que a TV estava ligada, passaram dois mercadores na rua. Em tempos de lockdown, eles voltaram. Um gritava abacate maduro! O outro não entendi direito o que dizia.

Se a volta no tempo for completa, daqui a pouco vão bater à minha porta um daqueles representantes da Enciclopédia Barsa. Aí, só me resta gritar a palavra mágica Pirlimpimpim, quem sabe, não mando Bolsonaro para a Grécia de Teseu.

Ai, meu Deus, Emília acabou de falar “a gente não pode mudar a história!"

Fiquemos com a ficção 

21/3/2021


12 comentários:

  1. O excelente texto de sua filha Caroline fez-me recuar no tempo e voltar à infância de meus filhos e a quando eu assistia com eles, tão maravilhada quanto eles ao "Sítio do Pica Pau Amarelo". Bem-haja à sua filha por nos transportar a esse tempo de magia.
    Muita saúde, meu Amigo José Carlos.
    Um bom fim se semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Filha de poeta
    só pode desbravar caminhos de sonho

    ResponderExcluir
  3. Ah, quem dera! Quem dera que a vida fosse somente um desejo...
    O "coiso" há muito já estaria no lugar de onde não deveria nunca ter saído.

    Ainda bem que a literatura nos faz sonhar!

    Parabéns, família talentosa.

    Abraço.

    :)

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha este texto da sua filha Caroline. Quem sai aos seus...
    Também aqui em Portugal teve muito sucesso, via-a com os meus filhos.
    Realmente não podemos mudar a história, mas podemos sonhar e imaginar um mundo perfeito em que a boneca de pano Emília, possa ganhar de novo vida, e nos deliciar com novas aventuras.

    Um beijinho e feliz final de semana

    ResponderExcluir
  5. Un texto maravilloso. Un gusto leerlo. Saludos.

    ResponderExcluir
  6. Um texto realmente muito interessante que merece ser divulgado entre amigos, ao som da música que nos reporta a episódios encantadores...

    Já é tempo de dispor de mais tempo para interagir conosco.
    Dias amenos e agradáveis. O meu abraço.
    ~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  7. Tempos áureos da TV brasileira_ e muito bem retratado pela filhota.
    Acordei e Adormeci com a lembrança dela .
    Parabéns pelo DNA forte e brilhante.
    abraço Jcarlos

    ResponderExcluir
  8. por vezes, a realidade imita a ficção
    uma família de ilustres escritores.

    parabéns, amigo
    forte abraço

    ResponderExcluir
  9. Parabéns mestre José Carlos Sant Anna pela Caroline, filha ilustre, e pela postagem do texto dela que nos conduz a uma época cheia de fantasia da melhor qualidade. O que aqui foi escrito por Caroline levou-me ao passado já distante num voo que ultrapassou a velocidade do som.
    Caroline seria o fruto que caiu ao pé da árvore? Acho que foi. Parabéns também para ela.
    Uma boa semana, amigo José Carlos.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Dias repousantes e tranquilos...

    Estou em recesso, mas por perto...

    Abraço, amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  11. Adorei ler o texto de sua filha Carolina (o fruto cai ao pé da árvore). Lembrei da infância dos filhotes...
    Foi um ponto alto da infância dos pequenos.
    Uma feliz Páscoa, bravo professor (rs), a você e sua família!
    Aguardemos tempos melhores, cuide-se bastante!
    Beijo a você e filhota!

    ResponderExcluir
  12. Recordar, fazer a transposição para o presente e procurar influenciar o futuro.
    A filhota apresenta-se de forma brilhante.

    Beijos aos dois.

    ResponderExcluir