sábado, 3 de abril de 2021

Do fingimento poético

 



                           Para Caroline V. Sant Anna, a filhota


Digo-lhe 

o que parece óbvio


o homem tem necessidade

da ficção, da simulação,

do imaginário

da arte de fingir


da biografia

a própria vida grafada

aquilo que somos 

e aquilo que não fomos


e somos

fragmentos irregulares

pálidos pedaços

zonas de sombras sem conforto


passado instável e movediço

que sobe e desce


e quando nada parece firme

e a salvo, o que não foi

o que ainda pode vir a ser

aparece no saco sem fundo

do imaginário.


(José Carlos Sant Anna)


12 comentários:

  1. Primeiro, adorei a canção que desconhecia, cantada por pai e filho, daí a inspiração para o seu poema, presumo.
    O poeta é um fingidor, já dizia Fernando Pessoa, e a vida sem essa nuance, era pura monotonia.
    Adorei!

    Beijinho e Páscoa Feliz para o José e sua família !

    ResponderExcluir

  2. Gostando do que vi, li e ouvi. Elogio a inspiração poética e o bom gosto musical. Votos de uma Páscoa muito feliz, com muitas amêndoas, coelhinhos e ovinhos de chocolate, e muita, muita Saúde, Amor e Paz, extensivo à sua família e amigo/as.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  3. JC

    Caroline deve ter ficado orgulhosa deste poema sublime que me deixou com um cisco no olho.
    Música a condizer!
    Gostei muito!
    Aproveito para desejar os meus votos de uma Santa Páscoa.
    Muito obrigada pela sua visita.
    Beijinhos e bom fim de semana.
    :)

    ResponderExcluir
  4. Somos mesmo assim Jcarlos feitos de acertos erros, palavras gestos, ganhos perdas, sentimentos razóes , encontros desencontros e muita ilusão. E como dizes aí a soma é o imaginário, esse' saco sem fundo'.
    A saideira do Edu é muito boa e sua inspiração, sem palavras.
    Bonito e fofo esse de mimar a filhota, homenageando-a.
    Bom domingo de Páscoa, com paz e saúde.

    ResponderExcluir
  5. Magnífico. Una garan inspiracion poetica. Un abrazo

    ResponderExcluir
  6. Muy linda tu inspiración poética. Saludos amigo.

    ResponderExcluir
  7. Ao saco sem fundo do imaginário é que o poeta vai buscar a luz que esconde as sombras daquilo que somos, daquilo que queremos ser. Um lindíssimo poema que a sua filha deve ter adorado.
    Que tenha um bom domingo de Páscoa juntamente com os que ama. Muita saúde. Um beijo, meu Amigo José Carlos.

    ResponderExcluir
  8. Quanta verdade, José Carlos, contém esse belo poema de fundo filosófico. Gostei muito, Mestre!
    Imaginemos planejar nossas vidas sem nenhuma simulação, tendo como meta tão-somente a verdade, que será dita a todos em quaisquer momentos, sejam eles em roda de amigos ou entre pessoas formais. Nelson Rodrigues não se atreveria tanto.
    Uma boa semana, com saúde, poeta J.C. Sant Anna.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Já ouvi várias vezes "No cordão da Saideira". E depois deslizo no poema "Do fingimento poético". E o imaginário é um lugar que gosto de visitar. E demorar. Temos mesmo necessidade.

    Excelente poema para a filhota.

    Beijo, meu amigo José Carlos.

    ResponderExcluir
  10. o poeta a declinar, com evidente prazer,
    todo um porgrama de "educação sentimental" (à maneira clássica)
    da sua herdeira ds letras...

    fico curioso sobre a resposta! rs

    cumplicidade muito bonita.

    abraço, caro Poeta

    ResponderExcluir
  11. Lindo e inspiradíssimo poema para a filhota, José Carlos!
    Da verdade poética, professor!
    Muito belo! E ótimo para refletirmos.
    Beijo, uma boa semana, com saúde e esperança.

    "e somos
    fragmentos irregulares
    pálidos pedaços
    zonas de sombras sem conforto"

    ResponderExcluir