terça-feira, 15 de junho de 2021

Do avarandado

 

acervo pessoal

Ao olhar em torno
abstraio-me do supérfluo
e refaço o curso dos dias
no repouso do silêncio
da solidão e do esquecimento 

(José Carlos Sant Anna)

12 comentários:

  1. Falou, está falado. O meu aplauso e elogio
    .
    Uma semana feliz
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. Uma imagem, e escassas palavras, porém fortes o suficiente pra dar a essa poesia uma aura de mistério, de metáfora.... . Mas nas entrelinhas paira uma história significativa . Daí, o silêncio não está vazio, porém, cheio de sentidos. Solidão e esquecimento, não são de todo um mal , mas incrivelmente curativos quando se é necessário.
    Surpreendi-me, contigo hoje. Escreveste pouco, mas com muita profundidade.

    Beijinhos, José Carlos Sant Anna !

    ResponderExcluir
  3. Desde el balcón, la vida continua..... Saludos amigo.

    ResponderExcluir
  4. Os ritmos da vida tornam-se impiedosamente inaturais. Então a necessidade de o poeta refazer cada dia, abstraindo-se do desnecessário e convocar o coração para este outro modo de pensamento que é a poesia, torna-se premente. Gostei imenso, meu Amigo José Carlos. E a fotografia é bem ilustrativa. E como gosto da flor amarela que espreita a acenar-nos.
    Continue a cuidar-se bem.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Cuando nos abstraemos de lo superfluo, y nos dejamos invadir por la simpleza del entorno y por las sensaciones que tenemos muy dentro de nosotros es cuando en verdad "respiramos y sanamos", para continuar el camino más aliviados, más concientes de lo que somos, de lo que sentimos y de lo que necesitamos para seguir adelante. Un abrazo muy grande

    ResponderExcluir
  6. Bah... esse poema, tão pequenino, mas tão forte e verdadeiro faz muitos adeptos dessa "filosofia de vida", sem muitas festas, sem muito barulho, sem o "auê" chato e desnecessário, abstrair-se do supérfluo... e um saudável silêncio para estarmos conosco. Uma vida tranquila.
    Quando se produz, a solidão muda de nome.
    Gostei muito, professor!
    Adorei essa foto com a flor amarela.
    Uma feliz semana, com alegria e paz!
    E cuide-se, mesmo vacinado.
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Felizes dos que têm varanda...
    Onde o repouso do silêncio e do esquecimento se torna mais fácil.
    Bom resto de semana, caro José Carlos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. A flor espreita em silêncio o poeta, e a sua reflexão.
    O essencial será sempre o mais importante.

    Um beijinho, José Carlos.

    ResponderExcluir
  9. No magnífico avarandado nascem poemas elevados como este. E a flor amarela dá um toque essencial de calor humano.
    Como é bom amar o local onde moramos!

    Beijinhos, amigo José Carlos.

    ResponderExcluir
  10. Inteligente escolha...a introspecção. Abraços, José Carlos!!!

    ResponderExcluir
  11. Hermosa foto!! Es bueno abstraerse y disfrutar de las cosas simples de la vida. Besos

    ResponderExcluir
  12. Mas o que é o supérfluo, diante de tantos sentimentos propiciados pelo "silêncio", pela "solidão" e o "esquecimento"?

    Qual o resultado? Esse belíssimo poema!

    Abraço!

    ResponderExcluir