quinta-feira, 8 de julho de 2021

A mancha

 


Em meio a um tormentoso frio e em engasgada ânsia, ela me diz "és de mim que nasces", imberbe, vens mais perto, vens, e beija-me, e beija-me, e suplica-me no teu silêncio e no sorriso que leva brilho aos teus olhos. E toca-me, e beija-me, e toma a minha caneta em suas mãos, massageando-a delicadamente à beira de extravasar o precioso líquido enquanto a minha língua se expande pelo teu corpo, onde me perco, onde me acho, desenhando sílabas que se enroscam vorazes, impelindo-me para dentro da tua mancha branca quando sangram às margens do teu cântaro outras sílabas e palavras e suspiros. E transpiro. E saboreio o canto, o ritmo, a musicalidade no teu corpo, do teu corpo, pelo meu corpo. Trêfegas, volto a desenhá-las na página em fogo mais brando e antevejo o longo fio costurando a face ainda oculta do poema que revela seus dentes ao se fazer e se refazer em minha medula e no desejo que me impele à salivação no vagar e nos afagos.


(José Carlos Sant Anna)


11 comentários:

  1. Belíssimo texto, pleno de sensualidade.
    Continuação de boa semana, caro José Carlos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Sdnsual, libidinoso, luxuriante. Gostei muito de ler
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  3. Tus letras, silabas y sensaciones me hacen saborear un momento exquisito, muy sensual y suspirar ... encendido texto !!! Besos

    ResponderExcluir
  4. Un recorrido placenterto y exquisito como las formas del amor y la pasion , pero tambien podrian aplicarse al nacimiento de los poemas. Un abrazo grande y feliz fin de semana

    ResponderExcluir
  5. Deixamos entrar as palavras com cautela na nossa intimidade até que elas nos deixam vulneráveis. E fica-se com a impressão de que é a linguagem poética, em estado de nascimento, que nos vem alucinar, numa entrega que não se deixa ver. Este poema que pode ser lido como um poema de amor sensual levou-me a uma segunda leitura por me parecer ser a poesia essa chama que oscila e ondula na mesma paixão.
    Lê-lo, meu Amigo José Carlos é um prazer e um desafio. Sempre.
    Continue a cuidar-se bem.
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. É a face, ainda, oculta do poema que revela a essência, a verdade da emoção permeando cada palavra cuidadosamente dita para não se trair. O Eu lírico transborda sensualidade, e inquietude por afagos.
    Uma poesia que me encanta tanto no conteúdo quanto na estrutura, estilo desse poeta que admiro até à medula.
    José Carlos Sant Anna, aplausos de joelhos , pra ti.
    Beijos, doces beijos !!!

    ResponderExcluir
  7. E assim nasce um poema seu amigo José Carlos, feito de entrega e sensualidade, como quem ama desesperadamente.

    Um beijinho com admiração.

    ResponderExcluir
  8. Difícil escrever algo quando a poesia é maior que qualquer palavra.
    Como nos versos de Mia Couto_ 'por ti criei todas as palavras e todas me faltaram' _ o que posso dizer que é sempre necessário algumas doses de prazer e isso foi mais que qualquer dose, foi demais rs
    abraços Jcarlos abraços

    ResponderExcluir
  9. Intenso, belo, voluptuoso, um poema que nos agarra em cada verso e nos transporta para outra dimensão.
    AMEI!
    Um abraaço.

    ResponderExcluir
  10. Extravasa sim, de qualidade. Aquela ousadia que quebra e atinge o leitor. Esta é uma elevada dimensão poética.

    Um beijo.

    ResponderExcluir