quinta-feira, 19 de agosto de 2021

Apetece-me

 


Agosto, parecia muito feliz, sem que soubesse que eu estava logo ali, na poltrona da sala, a observar pelo vidro o que acontecia do lado de fora, quando, por instinto, o gafanhoto se afastou da nuvem que sobrevoava o prédio e pousou na pequena horta da minha jardineira. E ficou quieto perscrutando em volta. Buscava reconhecer aquele admirável mundo novo. Ao que parece, ele não sente falta da turma, da nuvem, que pairava um pouco acima da minha cabeça. E apetece-me, por enquanto, vê-lo movendo suas patinhas por entre minhas hortaliças. Sem pudor. Vagarosamente, fareja com suas antenas o cheiro e sente o sabor de cada folha. E a sonoridade da palavra apetece me apetece, parece vir das nuvens. Deixo-a no céu da boca por alguns instantes. E depois digo em voz alta "apetece-me", enchendo o ar com suas vogais e consoantes. Deixo-a dissipar-se no ar. É uma palavra que não quebra espelhos e levita com a imensidão da lua quando há um rio noturno e os teus joelhos se dobram à minha pulsão. 


(José Carlos Sant Anna)

12 comentários:

  1. Nos campos da minha terra. existem gafanhotos aos milhares de todos os tamanhos e espécies.
    .
    Cumprimentos poéticos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. O som, a pronúncia deliciosa de "Apetece-me" é bem diferente de "apetece" , "apetecer".
    O "Apetece-me" tem intimidade, aconchego, um pedido, um convite...O que não faz um gafanhoto inocente , saboreando hortaliças, ante um olhar que atravessa a vidraça ? E flui e reflui a imaginação poética, deixando a leitora aqui, presa na imaginação em: "...e os teus joelhos se dobram à minha pulsão" .

    Apeteci-me com prazer na leitura dessa pérola poética, José Carlos SantAnna!!

    Doces beijos !!

    ResponderExcluir
  3. Que prosa linda!
    Também apetece-me a sonoridade das palavras. Sou apaixonada por palavras e ideias. E prosas poéticas... como essa que acabo de ler. Significativo o trabalho com as palavras. Parabéns!
    Bjs
    Marli

    ResponderExcluir
  4. Por aqui, o que tem aparecido são nuvens de grilos, primo do gafanhoto e só vejo uma saída fechar as janelas. Nenhum deles merece pousar nas nossas hortas Jcarlos mas da forma lírica que descreve esse encontro sou capaz de não mais pensar neles simplesmente como insetos desagradáveis e sim com mais carinho. rs
    Gostei também da forma saborosa de solfejar o 'apetece-me' palavra bem comum aos poetas portugueses_ se formos abrasileirar seria mesmo 'eu quero' 'eu desejo' 'eu gosto' 'eu saboreio' rs
    Ao poeta Jcarlos ,toda minha admiração e meu abraço

    ResponderExcluir
  5. rss, excelente, acho que você me fez gostar imensamente dos gafanhotos, coisa que nunca aconteceu 'antes nesse país'.
    Lembrei do dia em que me vi, sozinha, dentro do elevador com uma lagartixa. Apeteceu-me muitas coisas, inclusive acabar com ela, coisa que não fiz por misericórdia.
    Não me deparei ainda com uma nuvem de gafanhotos, não sei bem minha reação, mas seria de inércia...e de fuga.
    Maravilha, José Carlos, sua mente vive a mil.
    Um ótimo fim de semana (dá para desejar?) Cuide-se, amigo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Apetecer. É mais do que um verbo. A palavra tem implícita uma vontade e neste caso, em que o gafanhoto é apenas o pretexto do poeta, "apetece-me" surge como um enorme desejo de uma intimidade adiada... Magnífico texto, meu Amigo José Carlos. Apetece-me sempre ler o que escreve.
    Cuide-se bem.
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Muy bueno...me apetece, llenando el aire con sus vocales y consonantes... " dejando fluir tus palabras y el sentir!! Besos



    ResponderExcluir
  8. E de como os apetites mais humanos surgem aquando da observação de um gafanhoto tresmalhado...
    Excelente texto, gostei muito.
    Continuação de boa semana, caro José Carlos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Foi um prazer ler este texto, envolto em singelezas, mas prenhe de apetites que habitam em nós e se desvendam à mínima pulsão...
    Muito bom, repito, foi um prazer.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Todos os gestos, todas as nuvens, todas as luas se conjugaram num poema de alta estirpe. Nada foi em vão.
    Parabéns, meu amigo José Carlos.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Nuvem e gafanhotos me dão vontade de fazer haicai. Gostei do texto.

    ResponderExcluir